shutterstock_49038991

Não usar

Através do toque

Quando o resultado de gravidez dá positivo a alegria é imensa e os planos começam a surgir. A mãe não vê a hora de sentir o bebê chutar a barriga ou se movimentar, e é logo nos primeiros três meses que o pequeno começa com a tentativa de se comunicar com o mundo exterior.

Há algum tempo atrás, dizia-se que o desenvolvimento emocional do ser humano iniciava-se no momento de seu nascimento. Com o passar do tempo, e depois de muitas pesquisas tanto na área tecnológica como psicológica, foi concluído que o desenvolvimento do psiquismo humano tem início ainda no ambiente intra-uterino.

Sendo assim, é de extrema importância para o seu desenvolvimento emocional, que o bebê se sinta querido, amado, desejado e participante da nova família. Pensando nisso, a ciência afetiva descobriu uma nova técnica chama da Haptonomia, que significa o toque durante a gestação, no qual ajuda os pais a criarem uma ligação afetiva com o filho ainda na barriga. “É uma técnica aplicada por meio de contatos leves dirigidos ao bebê, no ventre da mãe, aguardando uma resposta. É uma forma de acariciá-lo por meio da barriga, transmitindo os nossos sentimentos através do tato”, explica Cecília Fagundes Brasil, psicóloga clínica. Além disso, ao entrar em contato com a barriga, a pele do ventre distende-se e a musculatura abdominal relaxa dando espaço e liberdade aos movimentos do feto, o que lhe dá maior segurança e autonomia ainda no ventre.

Família reunida
À medida que o toque vai se aprofundando, o vínculo se torna ainda mais forte. A ideia é que o pai, mãe e mesmo irmãos mais velhos encostem na barriga da mãe como forma de confirmação da existência do bebê e reafirmação da própria família, promovendo o desenvolvimento de vínculos afetivos entre eles.

Este envolvimento auxilia muito na integração da família, especialmente para o pai, que geralmente está muito excluído desta relação. Por isso, durante esse acompanhamento, os pais promovem o senso de paternidade e maternidade e da responsabilidade, ajudando o bebê a estimular seu desenvolvimento físico, psíquico e emocional.

De acordo com alguns estudiosos, as crianças que são submetidas a esta técnica são mais seguras e autônomas, apresentam um desenvolvimento psicomotor precoce, dormem uma noite inteira antes das três semanas de vida, sustentam a cabeça muito cedo e conseguem manter-se sentadas e em pé, sem apoio, antes dos sete meses.

Sensibilidade
Ao longo da gestação, o toque é a primeira linguagem que o bebê possui do mundo externo, o que lhe confere maior equilíbrio emocional após seu nascimento. E esta técnica pode continuar durante o parto, o que facilitaria o nascimento e a adaptação do pequeno à nova vida extra-uterina.