10 mentiras que contam sobre o feminismo

17 de outubro de 2018 - Por

mentiras-mitos-feminismo-movimento-feminista-feminazi

quem ama, compartilha!

Feminismo é contrário de machismo? É verdade que feministas protestam defecando em igrejas? E as manifestações mostrando os seios? Seja por desinformação, desconhecimento ou má fé, não é de hoje que uma aura de bruxaria cerca o movimento feminista, que ainda precisa lidar com uma enxurrada de mentiras e fake news.

Você, como uma mulher bem informada, não precisa cair nessas mentiras, certo? Reunimos os principais mitos que circulam por aí para você não cair nessa.

1. Feministas defecaram e fizeram sexo dentro de uma igreja

Grupos de WhatsApp foram bombardeados com um vídeo de um suposto protesto de feministas que teriam invadido a igreja, feito sexo e defecado em frente ao altar. O que ninguém conta é que esse vídeo, na verdade, é a montagem de dois protestos diferentes: um na Polônia e outro na Argentina. Nenhum deles está relacionado ao movimento feminista. Saiba mais aqui.

2. Feministas ficaram nuas em manifestações contra Jair Bolsonaro (#EleNão)

O que dizer da foto de mulheres nuas protestando com a legenda que afirma que a imagem foi capturada nas manifestações de 29 de setembro contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL)? As manifestações trouxeram muita diversidade, de fato, mas não há registros que comprovem que a foto foi tirada no dia das manifestações. Na verdade, os atos que aconteceram ao redor do mundo foram tão pacíficos que mães levaram seus filhos para protestarem também.

Essa notícia falsa revela um grande mito em torno das feministas:

3. Mulheres do movimento feminista só protestam com os peitos de fora

O fato de homens poderem andar sem camisa e mulheres não, especialmente por causa da sexualização do corpo feminino, leva algumas feministas a entenderem que protestarem com os seios de fora é uma forma de ir contra esse padrão. Isso mesmo, algumas feministas, não todas.

Essa atitude não é um consenso dentro do movimento feminista – que não é um bloco mas, sim, um grande grupo cheio de ideias divergentes e diversas vertentes de luta.

4. Feministas odeiam homens

Uma das definições possíveis de feminismo, segundo a Wikipédia, é: “conjunto de movimentos políticos, sociais, ideologias e filosofias que têm como objetivo comum: direitos equânimes (iguais) e uma vivência humana por meio do empoderamento feminino e da libertação de padrões patriarcais, baseados em normas de gênero.”

Desejar equidade não é odiar os homens. Aliás, há uma corrente no feminismo que acredita que apenas com a conscientização deles será possível alcançarmos uma sociedade igualitária.

5. Feministas são sujas e mal cuidadas

Nessas eleições, essa ideia foi tão longe que apoiadores do candidato Jair Bolsonaro fizeram uma paródia agressiva da música Baile de Favela afirmando que “feministas têm mais pelos que as cadelas. (sic)”

O que o feminismo realmente defende é que as amarras estéticas são, sim, impostas pela sociedade. Quem disse que mulheres precisam estar sempre maquiadas e impecáveis? Estar sem maquiagem ou deixar de se depilar não te faz menos mulher, nem deveria fazê-la se sentir feia ou suja. Por outro lado, se depilar e se maquiar também não te faz menos feminista. O mais importante é que você entenda que não é obrigada a seguir nenhum desses padrões – e é por isso que lutamos.

6. Feminismo é o contrário de machismo

Machismo: superioridade do sexo masculino

Feminismo: equidade entre os gêneros

O machismo nada mais é do que o conceito e estrutura que oprime e controla com a ideia de que o homem é naturalmente superior. Já o feminismo luta para derrubar essa estrutura, de modo a garantir que homens e mulheres andem lado a lado.

7. Feministas odeiam mães e crianças

Mães são, antes de mais nada, mulheres – incluindo toda sua complexidade que vai além da maternidade. O que o movimento defende é que mulheres não são obrigadas a serem mães caso não queiram. E, caso sejam, que esta seja uma decisão consciente, sem pressão social. A história de que “para uma mulher ser completa, ela precisa ser mãe” chama-se maternidade compulsória.

Feministas demonizam mães e filhos? Não. Na verdade, o feminismo acolhe as mães e luta para que elas não sejam marginalizadas. Ainda hoje, mulheres são penalizadas no mercado de trabalho pelo simples fato de serem mães – entenda nessa matéria.

8. Feministas são mal amadas

Uma das bandeiras do feminismo desde seus primórdios é que as mulheres sejam reconhecidas como seres autônomos, completos e independentes – que existem fora de um relacionamento. Até pouco tempo atrás, a lei brasileira não reconhecia a autonomia de uma mulher.

Afirmar que feministas são mal amadas apenas prova que ainda há um longo caminho para que sejamos reconhecidas como seres autônomos. Não somos mal amadas porque lutamos pelo maior de todos os amores: o amor próprio.

9. Toda feminista é lésbica

Apesar de ser usado como xingamento, não há nada de pejorativo em ser lésbica. Isto posto: o movimento é plural e, desta forma, engloba mulheres de todas as orientações sexuais – e todas as questões e particularidades de cada orientação sexual. O machismo e sexismo atingem a todas e, juntas, podemos lutar para que todas tenham direitos garantidos.

10. Feminismo é só uma fase

Tradução: não acredito que ainda tenho que protestar nessa m***

A Primeira Onda do Feminismo teria ocorrido século XIX. Tempo demais para ser só uma fase, não acha? Enquanto houver opressão e desigualdade entre os gêneros, haverá feminismo.

Bônus: é tudo mimimi de “feminazi”

A palavra “feminazi” é a combinação de “feminista” com “nazista”. Ainda estamos tentando entender em que a luta contra a desigualdade de gêneros se assemelha a um regime totalitário que provocou o genocídio de, aproximadamente, 6 milhões de judeus.

Esse termo, usado para desqualificar a luta das mulheres, só mostra como o feminismo ainda é necessário.

Fotos: Fotolia e Tenor

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) anapaula@financasfemininas.com.br

Leia em seguida

movimento-feminista-vitimista-mariliz-pereira-jorge-01

6 de dezembro de 2018

Ao contrário do que disse Mariliz Pereira Jorge, o movimento feminista não é vitimista e o barulho que fazemos é, sim, necessário. Veja nossa resposta à colunista da Folha de S. Paulo.

violencia-contra-a-mulher-01

25 de novembro de 2018

Fato 1: a culpa nunca é da mulher. A violência contra a mulher traz uma série de consequências, mas há boas notícias. Saiba mais.

cineastas-filmes-brasileiros-anna-muylaert

12 de setembro de 2018

Cineastas como Anna Muylaert e Laís Bodanzky provam que filmes brasileiros são sensíveis e muito ricos. Veja aqui quais nomes você precisa conhecer!

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas