5 sinais de que você não está sendo política no trabalho

20 de setembro de 2016 - Por

politica-no-trabalho

quem ama, compartilha!

Para ser uma profissional bem sucedida, não basta ser boa, também é preciso ser política. Calma, não estamos falando de puxadas de tapete, fofoca ou falta de ética. Na verdade, ser política no trabalho nada mais é do que saber convencer, negociar, engajar e discutir – habilidades essenciais para trabalhar bem de acordo com a realidade atual das empresas. “É uma arte de negociação para compatibilizar interesses”, definem Léa Folena e Renata Ferraz, sócias da UpTraine Consultoria & Treinamento. Mas, será que você tem todo esse jogo de cintura? A seguir, as especialistas revelam os sinais que apontam que as coisas não andam boas.

1. Você não entende nada sobre o assunto

Para se envolver de forma eficaz na política do escritório, você precisa entender a dinâmica interpessoal e como o poder funciona no trabalho. “É preciso desenvolver percepção sobre a conduta dos colegas de modo geral, incluindo sobre a liderança, pois é no relacionamento interpessoal que extraímos a troca necessária para obter melhores resultados”, afirmam. Não prestar atenção nisso pode ser julgado como displicência, o que limita seu crescimento profissional.

2. Você só se preocupa em fazer seu trabalho

Ser uma máquina de concluir tarefas e focar demais nos resultados serve apenas para te isolar, afinal, você estará mais focada na contribuição individual do que em agregar ao coletivo. É preciso ir além do bom trabalho e ser solícita e comprometida para ser notada e reconhecida.

politica-no-trabalho

3. Você quer estar sempre sob a luz dos holofotes

As pessoas reconhecem uma “estrelinha” de longe – e isso faz com que ninguém confie nela. “A grande questão no desenvolvimento de uma política profissional é você conseguir aparecer sem se tornar chata, mas, sim, sabendo utilizar ferramentas saudáveis para um bom marketing pessoal”, apontam as sócias. A solução é, em vez de tentar sempre aparecer, trabalhar para que os demais apareçam. Isso fará você ser vista como uma profissional confiável e autêntica.

4. Você é antissocial

As políticas no trabalho acontecem, obviamente, na interação entre os colaboradores. Isso significa que, se você não interage, está completamente por fora. É preciso fazer parte, agir de forma a diminuir o isolamento – a falta de interação tira as chances de você ter alguma influência no ambiente corporativo. O site americano The Muse reuniu algumas maneiras simples e cientificamente comprovadas de ser mais popular no trabalho.

5. Você está preocupada demais em ser querida por todos

Ser simpática e amada não quer dizer que você saiba se vender como uma profissional competente. Mais importante do que isso é ser coerente e ética, agindo de acordo com a missão da empresa. “Vamos pensar em sermos assertivas, sem deixarmos de ser cordiais. Agindo assim, desenvolveremos uma boa política e boa capacidade de negociação profissional”, finalizam as sócias.

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) anapaula@financasfemininas.com.br

Leia em seguida

sinais-de-que-voce-pode-ser-demitida-em-breve

15 de fevereiro de 2019

Todos estão sujeitos a serem demitidos. Mas como saber se o seu emprego está na reta? O primeiro sinal de demissão é são os feedbacks ruins. Veja outros.

perfeccionismo-no-trabalho-perfeccoinista-carreira 01

16 de janeiro de 2019

ATENÇÃO: o perfeccionismo pode estar atrapalhando sua carreira. Veja dicas práticas para deixar de ser tão perfeccionista e decolar no trabalho!

sucesso-profissional-startup-largar-harvard

14 de janeiro de 2019

Já pensou passar na Harvard com tudo pago, desistir e, por isso, alcançar sucesso profissional? Veja como essa decisão fez ela chegar à diretoria de uma startup.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas