Alavancagem

29 de novembro de 2012 - Por

quem ama, compartilha!

Alavancagem é quando você investe o seu dinheiro junto com dinheiro de terceiros em um ativo real (ex.: máquina, imóvel) ou um ativo financeiro que você espera que lhe proporcione ganhos.
O que você faria se quisesse investir em um projeto, mas não tivesse dinheiro suficiente? Provavelmente, você pediria emprestado no banco ou com algum conhecido. Ao fazer isso, você está se alavancando, ou seja, está investindo não apenas o seu dinheiro, mas também dinheiro emprestado. A alavancagem aumenta o risco, mas também a possibilidade de retorno de uma aplicação. Por exemplo, você tem R$100 e acredita que a ação de alguma empresa deveria valer 100% mais do que o valor de mercado hoje, de R$1, e acha que isso pode se concretizar em 3 meses. Você pede então R$200 ao banco, que cobra uma taxa de 10% pelo empréstimo nesse período, e compra, com esse dinheiro mais seus R$100, trezentas ações da empresa. Ao final dos 3 meses, se você estiver certa e a ação estiver valendo 100% a mais, você terá um ganho de R$480, muito maior do que os R$100 que você teria ganho se aplicasse apenas seus R$100, ou seja, se não estivesse alavancada. Mas, se ao final deste período a ação tiver caído 10%, você terá R$20, o dobro do que perderia se não estivesse alavancada. No mercado financeiro, é possível se alavancar também através de derivativos, cujo uso permite um maior grau de alavancagem que aumenta a possibilidade de ganho mas também o risco de perda. Alavancagem também é o termo usado como sinônimo de endividamento – quanto maior o grau de endividamento de uma empresa em relação a seu capital próprio, maior será sua alavancagem.

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

carolinaruhman
Carol Sandler
Carol Sandler é fundadora do Finanças Femininas, a maior plataforma online do Brasil de empoderamento feminino através da educação financeira. Apresenta o quadro "Carol, cadê meu dindin" semanalmente no programa SuperPoderosas, da TV Band. Autora do livro "Detox das Compras (Saraiva, 2017) e coautora do livro “Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015), junto com o economista Samy Dana. Estudou Jornalismo na PUC-SP e Economia e Relações Internacionais no Institut d’Études Politiques de la France, em Paris. Colunista do site da revista CLAUDIA e do portal Tempo de Mulher.

Leia em seguida

7 de dezembro de 2012

Grau de investimento ou Investment Grade, em inglês, é quando um país possui um risco muito baixo e é considerado pela economia mundial um investimento seguro e sólido. Quem declara isso são as  agências de rating, que avaliam o risco de calote de uma empresa ou país.

Fundos de investimento são o agrupamento de recursos de investidores, chamados cotistas, que aplica em títulos, ações, certificados ou até em outros fundos. O gestor do fundo é o responsável por fazer os investimentos com o objetivo de garantir boa rentabilidade aos cotistas. Existem várias classes de Fundos com perfis e mandatos bem diferentes: Fundos Referenciados, Fundos de Renda […]

Nos Estados Unidos temos o FOMC, Federal Open Market Comittee (Comitê Federal do Mercado Aberto do Fed, o banco central do país), que é o equivalente ao Copom no Brasil. O FOMC é o comitê que decide a taxa de juros dos Estados Unidos, a Fed Funds.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas