Amamentação: as 7 maiores dificuldades do aleitamento materno

16 de outubro de 2018 - Por

amamentacao-aleitamento-materno-dificuldades 01

quem ama, compartilha!

O famoso “coloca um paninho porque ninguém é obrigado a ver seu peito” traduz apenas uma das dificuldades da mãe que opta pela amamentação. Há o preconceito, mas também há a desinformação e falta de apoio – sem contar nos percalços com o bico, acordadas no meio da madrugada para amamentar etc.

Para apoiar a saga silenciosa das lactantes, elencamos as 7 maiores dificuldades que uma mãe que amamenta precisa enfrentar ao alimentar seu bebê e como resolvê-las.

1. Falta de informação

Cada mãe enfrenta uma saga particular quando decide amamentar seu filho. Algumas sofrem com a pegada, outras possuem bico invertido ou sentem muita dor durante o aleitamento. Foi o caso da estudante Seani Fagundes Ferreiro (foto), mãe do Peter, de 2 anos e 6 meses – que tem Síndrome de Down.

O fato de ter o bico invertido, peitos grandes e hiperlactação se juntou à dificuldade de seu bebê em abrir a boca, fora a falta de tônus muscular (hipotonia), problemas cardíacos e palato pequeno. Por isso, o ajuste da pegada demorou um tempo.

“O que funcionou aqui foi me munir de informações, saber que é possível amamentar tendo bico invertido. Cheguei a assistir vídeos ensinando a dar mamar, fui no banco de leite da cidade atrás de consultoria, baixei apostila da OMS [Organização Mundial da Saúde] sobre amamentação”, diz.

Para o pediatra Moises Chencinski, presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SP-SP), é preciso buscar respostas desde o pré-natal junto à equipe de saúde. “Cuidado com as fake news, com as opiniões e experiências de outras pessoas. Cuidar da saúde das crianças é muito mais que um palpite. Procure um profissional de saúde que seja atualizado para informar e que respeite suas opiniões, para te apoiar”, orienta.

2. Pouco apoio na amamentação

Mesmo mães informadas podem sofrer com palpites e opiniões indesejadas, seja de familiares, amigos, da sociedade, colegas de trabalho e até mesmo da equipe médica. Por ter um filho com Down, Seani ouviu muitos palpites e mitos sobre o aleitamento materno.

“Muita gente, inclusive pediatras, queria que eu desse complemento porque o Peter não ganhava peso. Muitas mães param de amamentar por orientação médica, sempre empurram o complemento, nunca estão satisfeitos com o ganho de peso do bebê. Aí a mãe começa a dar mamadeira, começa a confusão de bicos e o bebê começa a pegar errado no peito, atrapalhando, assim, a sucção nutritiva”, conta.

Por isso, é importante que você tenha uma rede de apoio que esteja preparada para promover e proteger a amamentação, ajudando, inclusive, a propiciar oportunidades para as mães que desejam manter o aleitamento materno. “A família, a sociedade, profissionais de saúde, a mídia, as redes sociais, grupos de mães, bancos de leite são base para essa ação”, defende Chencinski.

3. Problemas no trabalho

Voltar ao trabalho depois da licença-maternidade é um drama para as mães, seja pelo medo de ser demitida ou por se preocuparem com o aleitamento materno. Apesar de a lei estar ao lado da mulher, sabe-se que muitas empresas negligenciam as necessidades das lactantes.

A Cartilha para a Mulher Trabalhadora que Amamenta, do Ministério da Saúde, orienta as mães a amamentarem antes de sair de casa, ao voltar para casa, aos finais de semana e a oferecerem o leite retirado e coletado, que pode ser guardado por 12 horas na geladeira e congelado por 15 dias para ser oferecido ao bebê enquanto a mãe estiver no trabalho.

“O que os estudos mostram é que uma empresa que apoia a amamentação tem funcionárias mais felizes e que gostam do seu local de trabalho. Crianças amamentadas adoecem menos. Assim, os índices de absenteísmo das mães, nesse caso, são bem menores. Apoiar a amamentação também é bom e favorece a economia da empresa”, defende o pediatra.

Falamos mais sobre os direitos da mulher que amamenta em outra matéria, veja aqui.

amamentacao-aleitamento-materno-dificuldades 02
Marina e as gêmeas Catarina e Valentina, que nasceram prematuras

4. Problemas de saúde

Quando o bebê nasce prematuro, com alguma deficiência ou doença, amamentar se torna um grande desafio. As gêmeas Catarina e Valentina, hoje com 3 anos e 3 meses, nasceram com apenas 32 semanas e ficaram na UTI neonatal. Como elas vieram ao mundo muito frágeis, o sonho de amamentar de Marina Jacob Lopes, advogada e empreendedora materna, acabou ficando para mais tarde.

Ao ficarem mais fortes, as pequenas puderam receber o leite diretamente do peito da mãe. “A parte muito ruim da UTI é que, por conta dos horários de medicamentos e intervenções hospitalares, é impossível fazer livre demanda. Os bebês são pequenos e estão cheios de fios e sondas. Como eu tenho gêmeas, cada vez que eu amamentava uma, a outra recebia leite materno doado ou fórmula especial para prematuro, se o materno estivesse em falta no banco de leite”, conta.

Marina aprendeu a dar de mamar com suas filhas ainda internadas. Chegando em casa, ainda teve que lidar com a saúde frágil da Valentina. “No primeiro ano de vida da Tina foram umas 3 ou 4 internações, contando a UTI. Amamentar sempre fez com que ela estivesse confortável, sempre fui muito incentivada pelos médicos e sei que é exceção. Ela mamava depois dos remédios, depois dos exames. Achava consolo naquilo tudo.”

“Toda mãe pode produzir e oferecer esse leite ao seu prematurinho. E sempre deve acontecer o estímulo pelos bancos de leite para que essa mãe possa retirar seu leite e manter a produção e a oferta até que o prematuro possa sugar sozinho, assim como após a alta da maternidade”, comenta Chencinski.

5. Comentários e olhares indesejados

A hipersexualização dos seios femininos impede que muitos entendam que o objetivo da mama na natureza é, pasme, dar de mamar. Com isso, podem surgir olhares invasivos e até comentários que culpabilizam a mãe ou têm cunho sexual – como o famoso “coloque um paninho para cobrir.”

Sua arma contra isso? Empoderamento. “Uma mãe que sabe, que conhece, que se informa não precisa se sentir ameaçada. Todas as leis estão a seu favor, desde as leis da natureza até as do sistema judiciário para que ela amamente onde e quando ela e seu bebê julgarem importante”, reitera Chencinski.

O pediatra orienta que, caso você se sinta constrangida, vale buscar ajuda e denunciar quem fez esses comentários. “Se for em um estabelecimento comercial, cabe ao proprietário exercer a proteção e se isso não for feito, ele e seu estabelecimento podem ser denunciados.”

6. Vergonha de amamentar em público

Esses comentários e olhares acabam inibindo muitas mães, que deixam de amamentar o filho na frente das pessoas por vergonha. Existem leis para proteger as mães que queiram amamentar em público, mas não que as obriguem.

“O ponto é compreender qual a razão para essa vergonha, informar, orientar e respeitar a decisão da mãe. Vale sempre lembrar que a recomendação é a livre-demanda, ou seja, o bebê mamar sempre que tiver fome. O contato visual favorece muito a liberação dos hormônios que promovem a lactação, especialmente a ocitocina. Assim, cobrir o bebê e o seio, pode dificultar esse processo. Mas, como essa será uma situação eventual, uma ou outra vez não trará riscos para a amamentação”, ensina Chencinski.

7. Cansaço

“Quando meu segundo filho completou 11 meses, resolvi começar a introduzir a mamadeira para eu poder descansar um pouco. Durante a gravidez eu engordei 13 kg e, até hoje, perdi 23kg por cansaço”, comenta Raisa Pio, mãe em tempo integral do Gabriel, 7 anos, e do Davi, de 1 ano e 1 mês.

Apesar do esforço, o pequeno Davi só aceitou a mamadeira quando completou 1 ano. “Ele é muito grudado em mim e vejo que o peito pra ele é o maior elo. Ele acorda de madrugada só para ir para o peito, mesmo que a barriguinha esteja cheia.”

A solução que Raisa encontrou foi começar a introdução alimentar – que também foi complicada. “Ele trocava a comida pelo peito. Tanto é que a pediatra pediu para deixá-lo sem peito por bastante tempo para ele ter muita fome e comer a comida”, diz. Este processo, obviamente, deve ser acompanhado pelo pediatra.

Fotos: Arquivo pessoal / Fabi Datovo

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter e produtora, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) anapaula@financasfemininas.com.br

Leia em seguida

reforma-trabalhista-como-fazer-home-office-em-tempos-de-coronavirus

17 de março de 2020

Fazer home office é uma das medidas para conter o novo coronavírus. A advogada da NeoLaw explica os pontos regulamentados pela reforma trabalhista. Leia mais!

12 de julho de 2019

Muitas mulheres que desejam fazer laqueadura têm seu pedido negado. Veja quais são os requisitos legais para realização do procedimento.

comprinhas-desnecessarias-coisas-de-bebe

11 de junho de 2019

Mães de primeira viagem não precisam comprar um trocador ou bolsa de maternidade. Carol Sandler mostra outros itens desnecessários para você economizar.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas