Boatos de que Bolsonaro estaria “fritando” Guedes derrubam a Bolsa

17 de agosto de 2020 - Por

Boatos de que Bolsonaro estaria “fritando” Guedes derrubam a Bolsa

quem ama, compartilha!

Este texto faz parte da cobertura do Finanças Femininas para traduzir o que está acontecendo com o mercado financeiro durante a pandemia do coronavírus. Ajudamos você a se informar com uma linguagem simples, sem economês e sem pânico!

Ibovespa: -1,73 (99.595 pontos)

Dólar: +1,26% (R$ 5,49)

Casos de coronavírus: 3.343.925 confirmados e 108.054 mortes*

Resumo:

  • Bolsa descola do exterior e cai aos 99 mil pontos com preocupações com a esfera política e fiscal do Brasil;
  • mercado financeiro percebe movimento de “fritura” de Guedes por Bolsonaro e acende alerta;
  • Brasil ultrapassa 108 mil mortes por coronavírus;
  • economistas melhoram estimativa para PIB em 2020, prevendo tombo de 5,62%;
  • taxas médias de empréstimo pessoal e cheque especial aumentaram, mostra Procon-SP.

Lembra da Bolsa fechando acima dos 100 mil pontos? Hoje não foi o dia. Descolando dos principais índices mundiais, o Ibovespa, principal índice da B3, voltou ao patamar de 99 mil pontos depois de um dia em que o mercado financeiro está especialmente de olho no cenário político e fiscal do Brasil. Para que se tenha ideia, apenas 14 das 75 ações listadas na Bolsa conseguiram fechar o dia no azul.

Diante das notícias e declarações do presidente Jair Bolsonaro, o mercado financeiro está com a percepção de que ele estaria em pleno processo de “fritura” de Paulo Guedes, ministro da Economia. O método já é conhecido dos jornalistas, pois aconteceu com o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, com o ex-ministro da Saúde, Henrique Mandetta, entre outros.

Fontes da Folha de S. Paulo afirmaram que Bolsonaro haveria se queixado a deputados aliados de que “o ministro precisa ser menos inflexível e intransigente em relação aos recursos orçamentários”. Em outras palavras, ele reclamou da persistência de Guedes em manter o teto de gastos públicos a todo custo.

Já ao Correio Braziliense, interlocutores disseram que já rola nos corredores o nome do atual presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, como um possível substituto de Guedes.

Isso estaria acontecendo porque a popularidade do presidente teve um ligeiro aumento, atrelado principalmente ao Auxílio Emergencial. Por isso, seria do desejo de Bolsonaro aumentar o gasto com obras e benefícios sociais – indo contra o teto de gastos estabelecido em 2017 no governo Temer, que limita o aumento das despesas à inflação do ano anterior.

E como os investidores ficam? Atentíssimos. Nós também continuaremos de olho no desenrolar dessas histórias para contar como isso afetará o mercado financeiro e, principalmente, sua vida.

Nessa esteira, vale relembrarmos a que pé o Brasil está no combate ao coronavírus. O Brasil tem 108.054 mortes por coronavírus confirmadas, 3.343.925 casos e 5 estados brasileiros e o Distrito Federal tiveram alta nas mortes por coronavírus, de acordo com a média móvel: Santa Catarina, Minas Gerais, Goiás, Amazonas e Roraima.

Para acompanhar a situação no seu estado, o portal G1 elaborou um infográfico, que usa a variação da média móvel – que aponta com mais precisão a evolução da doença e é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete. Clique aqui e veja.

Boatos de que Bolsonaro estaria “fritando” Guedes derrubam a Bolsa

Economistas melhoram estimativa para PIB em 2020, prevendo tombo de 5,62%

Pela sétima semana consecutiva, os economistas do mercado financeiro melhoraram as estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020, passando a projeção de uma retração de 5,62% para 5,52%.

Este dado faz parte do relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central (BC) a partir da opinião de economistas de mais de 100 instituições financeiras.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Já a expectativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, passou de 1,63% para 1,67%. Apesar de ligeiramente mais alto, o número segue abaixo do centro da meta de inflação, que é de 4%, assim como do piso do sistema de metas, que é de 2,5% neste ano.

Pela regra vigente, a inflação oficial pode variar de 2,5% a 5,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. Quando isso não acontece, o Banco Central deve escrever uma carta pública explicando as razões.

Taxas médias de empréstimo pessoal e cheque especial aumentaram, mostra Procon-SP

Apesar da queda da taxa Selic, o consumidor final continua amargando os juros cobrados pelos bancos, de acordo com o Procon-SP. Pesquisa realizada pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas da Escola de Proteção e Defesa do Consumidor do órgão constatou que, em agosto, a taxa média do empréstimo pessoal passou de 6,03% ao mês em junho para 6,08% a.m. este mês – 0,05 ponto percentual a mais.

Já a taxa de juros para cheque especial aumentou 0,01 ponto percentual, passando de 7,90% para 7,91% a.m.

Para chegar aos números, o Procon-SP levantou dados das seguintes instituições: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra e Santander.

De acordo com o levantamento, estas são as taxas máximas pré-fixadas para clientes Pessoa Física praticadas por cada banco pesquisado:

Taxas médias de empréstimo pessoal e cheque especial aumentaram, mostra Procon-SP

Para conferir a pesquisa completa, clique aqui.

Lembrando que, conforme já informamos, o atual patamar da taxa Selic é de 2% ao ano, o menor patamar desde junho de 1999, quando o Brasil adotou o regime de metas para a inflação.

*Até o fechamento do texto. Fonte: levantamento feito por jornalistas de G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter e produtora, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) [email protected]

Leia em seguida

Nova onda de COVID-19 e escândalo de bancos derrubam Bolsa nesta segunda (21)

21 de setembro de 2020

A nova onda de coronavírus nos EUA e Europa e suspeita de lavagem de dinheiro em bancos globais fizeram um grande estrago na Bolsa. Entenda.

Bolsa cai aos 98 mil pontos, mas semana fecha perto do zero a zero

18 de setembro de 2020

A Bolsa foi arrastada pela onda negativa dos índices globais, mas conseguiu fechar a semana empatada. O que houve? Saiba tudo que rolou nesta sexta-feira (18)!

Bolsa se descola de perdas internacionais e fecha em leve alta

17 de setembro de 2020

De ressaca da decisão do banco central dos EUA, bolsas do mundo inteiro caíram, menos do Brasil. Descubra quais ações salvaram a pátria!

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas