Bolsa fecha em alta, mas não consegue apagar perdas da semana

14 de agosto de 2020 - Por

Bolsa fecha em alta, mas não consegue apagar perdas da semana

quem ama, compartilha!

Este texto faz parte da cobertura do Finanças Femininas para traduzir o que está acontecendo com o mercado financeiro durante a pandemia do coronavírus. Ajudamos você a se informar com uma linguagem simples, sem economês e sem pânico!

Ibovespa: +0,89% (101.353 pontos)

Dólar: +1,12% (R$ 5,42)

Casos de coronavírus: 3.238.216 confirmados e 105.791 mortes*

Resumo:

  • Bolsa fecha em alta, mas não consegue apagar perdas da semana;
  • mercado financeiro passa sinal de confusão com os sinais trocados e recuos de Bolsonaro em relação à política econômica;
  • Brasil atinge 105 mil mortes por coronavírus;
  • “prévia” do PIB aponta para início de recessão com tombo de quase 11% no 2º trimestre;
  • número de desempregados cresce 31% em 12 semanas com pandemia, aponta IBGE.

Apesar de ter fechado em alta nesta sexta-feira (14), o Ibovespa não conseguiu apagar as perdas que aconteceram ao longo de semana atribulada do ponto de vista político.

Como o que acontece em Brasília anda de mãos dadas com os rumos da economia, é de se entender o emaranhado. Por um lado, em live na noite desta quinta-feira (13), o presidente admitiu ter avaliado furar o teto de gastos, mas logo recuou.

Por outro, analistas do mercado financeiro já enxergam um Bolsonaro de olho na faixa presidencial em 2022 – e para isso, pode rumar para uma pauta mais populista. Parte dessa percepção vem das atitudes, mas também da declaração dada na live: o presidente pediu “patriotismo” dos agentes do mercado financeiro.

Por ora, o que os investidores têm em mãos são os acenos do governo em relação à política liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao compromisso com o teto de gastos. Essa é a linguagem que o mercado quer ouvir, mas ainda há desconfiança.

Na semana, o Ibovespa acumulou queda de 2,02%. Já o dólar, que passou por muita volatilidade desde segunda-feira, fechou a semana 0,27% mais caro ante ao real.

Bolsa fecha em alta, mas não consegue apagar perdas da semana

“Prévia” do PIB aponta para início de recessão com tombo de quase 11% no 2º trimestre

Considerado a “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) registrou queda de 10,94% no segundo trimestre de 2020, segundo divulgou nesta sexta-feira o Banco Central (BC).

O resultado oficial do PIB do segundo trimestre será divulgado apenas em 1º de setembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. No entanto, caso a retração do PIB se confirme, o Brasil entrará oficialmente na chamada “recessão técnica”, que ocorre quando o nível de atividade econômica recua por dois trimestres consecutivos.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no País e é usado para medir a evolução da economia.

Número de desempregados cresce 31% em 12 semanas com pandemia, aponta IBGE

Em 12 semanas, 3,1 milhões de brasileiros perderam o emprego – uma alta de 31% diante da pandemia do coronavírus, divulgou nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desta forma, a taxa de desemprego ficou em 13,7% na penúltima semana de julho.

Dados Instituto apontaram que, na penúltima semana de julho, o País tinha 12,9 milhões de desempregados, 550 mil a mais que na semana anterior. Isso representa uma alta de 4%. Para que se tenha ideia, o número era de cerca de 9,8 milhões na primeira semana de maio, com taxa de desocupação de 10,5%, quando teve início a pesquisa.

As informações fazem parte da Pnad Covid19, versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua feita com apoio do Ministério da Saúde, com dados levantados entre os dias 19 e 25 de julho.

*Até o fechamento do texto. Fonte: levantamento feito por jornalistas de G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter e produtora, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) [email protected]

Leia em seguida

Nova onda de COVID-19 e escândalo de bancos derrubam Bolsa nesta segunda (21)

21 de setembro de 2020

A nova onda de coronavírus nos EUA e Europa e suspeita de lavagem de dinheiro em bancos globais fizeram um grande estrago na Bolsa. Entenda.

Bolsa cai aos 98 mil pontos, mas semana fecha perto do zero a zero

18 de setembro de 2020

A Bolsa foi arrastada pela onda negativa dos índices globais, mas conseguiu fechar a semana empatada. O que houve? Saiba tudo que rolou nesta sexta-feira (18)!

Bolsa se descola de perdas internacionais e fecha em leve alta

17 de setembro de 2020

De ressaca da decisão do banco central dos EUA, bolsas do mundo inteiro caíram, menos do Brasil. Descubra quais ações salvaram a pátria!

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas