Bolsa fecha em alta; PIB brasileiro pode encolher até 5% por coronavírus

13 de abril de 2020 - Por

Ibovespa contraria movimento internacional de queda e fecha em alta nesta segunda (13)

quem ama, compartilha!

Esse texto faz parte da cobertura do Finanças Femininas para traduzir o que está acontecendo com o mercado financeiro durante a pandemia do coronavírus. Ajudamos você a se informar com uma linguagem simples, sem economês e sem pânico!

Ibovespa: +1,49% (78.836 pts)

Dólar: +1,72% (R$ 5,18)

Casos de coronavírus: 23.430 confirmados e 1.328 óbitos (fonte: Ministério da Saúde)*

Resumo:

  • Ibovespa contraria movimento internacional de queda e fecha em alta;
  • mulheres chefe de família podem receber auxílio de R$ 1.200 a partir de hoje;
  • mercado financeiro prevê retração de até 5% na economia brasileira.

Dia volátil na Bolsa brasileira. A manhã foi marcada por perdas por conta das notícias que vêm das trincheiras da saúde: os Estados Unidos já alcançaram 550 mil casos e 22 mil mortes por coronavírus. O país já lidera o ranking, ultrapassando em quase cinco vezes os dados da Espanha e Itália.

Com números como estes, o mercado espera com pessimismo a temporada de balanços econômicos do primeiro trimestre, visto que ela mostrará o real impacto do coronavírus na economia dos Estados Unidos. Desta forma, as principais bolsas americanas operaram em baixa.

Apesar disso, o Ibovespa conseguiu se descolar dos índices internacionais e fechar em alta graças às guinadas nas ações de grandes agentes na Bolsa, como Petrobrás, Vale e bancos.

No Brasil, segundo o ministro da Saúde Henrique Mandetta, o pico da pandemia do COVID-19 deve chegar entre maio e junho. Porém, não há motivo para relaxar os cuidados: o Brasil registrou 105 novas mortes nas últimas 24 horas. São Paulo segue sendo o estado com mais mortes (608), seguido de Rio de Janeiro (188) e Pernambuco (102).

Desta forma, seguiremos atentas aos impactos da doença no seu dia a dia.

Caixa começa a pagar hoje auxílio de R$ 1.200 para mulheres chefes de família

Esta segunda foi dia de pagamento da renda básica emergencial para trabalhadoras informais que provêm o sustento da casa e se enquadram nos requisitos para receber o auxílio, que faz parte de um pacote para ajudar a economia em tempos de coronavírus.

Mulheres chefe de família podem receber auxílio de R$ 1.200 a partir de hoje

Este lote contemplará cidadãs inscritas no CadÚnico que têm poupança na Caixa Econômica Federal e conta no Banco do Brasil. Já amanhã, receberão aquelas que estão cadastradas, mas não possuem conta em bancos públicos.

Para ser apta a receber os R$ 1.200, a mulher deverá ser chefe de uma família sem cônjuge ou companheiro, com ao menos uma pessoa menor de 18 anos e nenhum outro componente na família – a chamada mulher monoparental, ou mãe solo.

Pessoas sem conta na Caixa ou Banco do Brasil começarão a receber o auxílio a partir desta terça (14).

Por que você precisa saber? Caso você tenha direito à renda básica emergencial, fique atenta ao calendário oficial da Caixa e faça o melhor uso deste dinheiro. Preparamos algumas dicas aqui, clique e veja!

Com coronavírus, especialistas preveem retração de até 5% na economia

As previsões sobre o que acontecerá com a economia brasileira depois da pandemia causada pelo COVID-19 variam em relação aos números, mas todas concordam que haverá retração.

Já falamos por aqui do Relatório Focus – que mostra as expectativas do mercado em relação à economia brasileira e é divulgado todas as segundas-feiras pelo Banco Central. De acordo com o boletim divulgado nesta segunda de manhã, os economistas esperam que a economia brasileira contraia em 1,96% em 2020. Semana passada, a expectativa era de 1,18%.

Enquanto isso, o Banco Mundial prevê um encolhimento de 5% na atividade econômica no Brasil. Este seria um dos piores desempenhos entre os grandes países latinos. O número foi divulgado no último domingo (12). Diante deste quadro, a instituição apontou o quão necessário é ampliar programas sociais que incluam o maior número possível de trabalhadores impactados pelas medidas de combate ao coronavírus, como isolamento social, que levou estes cidadãos a paralisarem as atividades.

Por que você precisa saber? Já adiantamos por aqui que é natural que as economias do mundo inteiro sofram o baque da pandemia causada pelo COVID-19. O impacto será grande no Brasil, país já maculado pela desigualdade social, desemprego e grande quantidade de trabalhadores na informalidade. Na ponta desta corrente está você e, provavelmente, todo este cenário já está causando grande repercussão nas suas contas. Essa é a hora de se agarrar ao controle de orçamento – cada centavo conta.

*Até o fechamento do texto

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter e produtora, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) [email protected]

Leia em seguida

Em dia morno, Bolsa fecha estável de olho em índices positivos e coronavírus

3 de julho de 2020

Alguns índices na zona do euro e China foram melhores do que o esperado, mas mercado financeiro ainda teme coronavírus. Entenda como isso afetou a Bolsa.

Bolsa fecha no zero a zero com novo recorde de coronavírus nos EUA

2 de julho de 2020

EUA criaram 4,8 milhões de empregos em maio, o que animou o mercado financeiro. Mas logo veio o novo recorde de coronavírus no país. Veja tudo que aconteceu hoje!

Bolsa fecha em alta focada em nova vacina contra COVID-19 e dados positivos

1 de julho de 2020

Nova vacina contra coronavírus aumentou apetite a risco do mercado financeiro, mas dados de perda de renda no Brasil preocupam. Entenda.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas