Bolsas do mundo fecham no azul, mas Ibovespa fica no zero a zero

3 de agosto de 2020 - Por

Bolsas do mundo fecham no azul, mas Ibovespa fica no zero a zero

quem ama, compartilha!

Este texto faz parte da cobertura do Finanças Femininas para traduzir o que está acontecendo com o mercado financeiro durante a pandemia do coronavírus. Ajudamos você a se informar com uma linguagem simples, sem economês e sem pânico!

Ibovespa: -0,08% (102.829 pontos)

Dólar: +1,83% (R$ 5,31)

Casos de coronavírus: 2.736.298 confirmados e 94.226 mortes*

Resumo:

  • Bolsa se descola do exterior e fecha no zero a zero;
  • Brasil ultrapassa 94 mil mortes por coronavírus;
  • Banco do Brasil já tem novo nome para presidência;
  • dólar tem alta contra o real;
  • mercado melhora expectativa para o PIB de 2020 e espera tombo de 5,66%;
  • Descubra qual título do Tesouro Direto subiu quase 15% em julho.

Enquanto as bolsas do mundo inteiro fecharam em alta, o Ibovespa – principal índice da B3 – teve um dia mais modesto nesta segunda-feira (3), encerrando o primeiro pregão do mês no zero a zero.

Lá fora, o combustível das altas foram os chamados índices de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial, que mostram o desempenho da indústria de uma região em determinado período. Na zona do euro, o PMI ficou em 51,8 pontos, acima dos 51,1 pontos projetados por analistas. O mesmo aconteceu com a China, cujo PMI foi de 52,8 pontos – além dos 51,3 pontos projetados. Quando este indicador fica acima do patamar de 50 pontos, ele indica crescimento.

No Brasil, o PMI industrial foi de 58,2 pontos. No entanto, a Bolsa brasileira passou o dia oscilando, especialmente por conta da queda das ações da Petrobras e da realização de lucros – ou seja, os investidores aproveitaram para embolsar o que ganharam no mês passado. Mais para o final do expediente, o índice foi caminhando para a estabilidade.

Um dos destaques foram as ações do Banco do Brasil, que subiram após a indicação de André Brandão – um nome que agrada o mercado – para a presidência da instituição. Os bancões representam 20% da carteira teórica do Ibovespa, o que deixa o índice sensível a alterações nessas instituições. Para ilustrar, o mercado financeiro está de olho na divulgação dos dados do segundo trimestre do Itaú Unibanco, que será feita ainda hoje, e do BB, na quinta-feira (6).

Já o dólar parece crescer diante do real – que, por sua vez, foi uma das moedas que mais se valorizaram no mundo nesta segunda-feira. O motivo é a expectativa de que, nesta quarta-feira (5), o Banco Central reduza ainda mais o juros na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

Bolsas do mundo fecham no azul, mas Ibovespa fica no zero a zero

Mercado melhora expectativa para o PIB de 2020 e espera tombo de 5,66%

Pela quinta semana consecutiva, os economistas do mercado financeiro melhoraram as estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020, passando a projeção de uma retração de 5,77% para 5,66%.

Este dado faz parte do relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central (BC) a partir da opinião de economistas de mais de 100 instituições financeiras.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Já a expectativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, teve queda de 1,67% para 1,63%. Desta forma, o número segue abaixo do centro da meta de inflação, que é de 4%, assim como do piso do sistema de metas, que é de 2,5% neste ano.

Pela regra vigente, a inflação oficial pode variar de 2,5% a 5,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. Quando isso não acontece, o Banco Central deve escrever uma carta pública explicando as razões.

Descubra qual título do Tesouro Direto subiu quase 15% em julho

Apesar das recentes quedas na taxa Selic, a renda fixa não está morta – pelo menos não se depender de alguns títulos do Tesouro Direto que tiveram alta em julho.

Títulos do Tesouro IPCA+, atrelados à inflação, se destacaram com o bom desempenho. A melhor rentabilidade das aplicações ficou com o título com vencimento em 2045, que teve valorização de 14,8% no período. Para que se tenha ideia, são 6,5 pontos percentuais a mais da alta de 8,3% do Ibovespa.

O motivo para tamanha variação é o cenário de incertezas que o mundo como um todo está vivendo por causa da pandemia do coronavírus, incluindo o receio de uma segunda onda da doença. Conforme a maior parte das aplicações do mercado financeiro aumentam o risco, o governo federal fez sua lição de casa e compensou com rentabilidade.

O site Valor Investe reuniu a rentabilidade de todos os títulos no mês de julho, veja aqui.

*Até o fechamento do texto. Fonte: levantamento feito por jornalistas de G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter e produtora, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) [email protected]

Leia em seguida

Nova onda de COVID-19 e escândalo de bancos derrubam Bolsa nesta segunda (21)

21 de setembro de 2020

A nova onda de coronavírus nos EUA e Europa e suspeita de lavagem de dinheiro em bancos globais fizeram um grande estrago na Bolsa. Entenda.

Bolsa cai aos 98 mil pontos, mas semana fecha perto do zero a zero

18 de setembro de 2020

A Bolsa foi arrastada pela onda negativa dos índices globais, mas conseguiu fechar a semana empatada. O que houve? Saiba tudo que rolou nesta sexta-feira (18)!

Bolsa se descola de perdas internacionais e fecha em leve alta

17 de setembro de 2020

De ressaca da decisão do banco central dos EUA, bolsas do mundo inteiro caíram, menos do Brasil. Descubra quais ações salvaram a pátria!

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas