Com climão entre China e EUA, Bolsa fecha a semana em queda

24 de julho de 2020 - Por

Com climão entre China e EUA, Bolsa fecha a semana em queda

quem ama, compartilha!

Este texto faz parte da cobertura do Finanças Femininas para traduzir o que está acontecendo com o mercado financeiro durante a pandemia do coronavírus. Ajudamos você a se informar com uma linguagem simples, sem economês e sem pânico!

Ibovespa: +0,09% (102.381 pontos)

Dólar: -0,12% (R$ 5,20)

Casos de coronavírus: 2.303.661 confirmados e 84.440 mortes*

Resumo:

  • Bolsa acompanha quedas globais com retaliação da China aos Estados Unidos;
  • climão aumenta a aversão a risco dos investidores, puxando o dólar para baixo;
  • prévia da inflação oficial tem alta em julho, puxada pelos preços dos combustíveis;
  • Reforma da Previdência e juro baixo reduzem 15% da renda na aposentadoria;
  • Receita libera consulta ao 3º lote de restituição de Imposto de Renda.

Depois de um dia inteiro acompanhando o climão de guerra fria entre China e Estados Unidos – e as perdas que ele traz –, o Ibovespa deu a volta por cima de última hora e conseguiu fechar próximo da estabilidade nesta sexta-feira (24).

Hoje, a China resolveu devolver a ordem dos EUA na mesma moeda, dando 72 horas para o fechamento do Consulado estadunidense em Chengdu, sudeste chinês. Na quarta-feira, conforme contamos aqui, a Casa Branca havia determinado que o país asiático fechasse seu Consulado em Houston, no Texas.

Neste pano de fundo, a bolsa de Xangai caiu 3,86% de manhã. A briga tem colocado investidores do mundo inteiro em apreensão: afinal, como ela afetará a economia global, ainda mais em um momento tão complicado quando a pandemia do coronavírus? O que vai acontecer daqui para frente?

Com o cenário tenso, alguns investidores optaram por realizar o lucro obtido anteriormente – ou seja, venderam os papéis que valorizaram fortemente nos dias anteriores.

Com o caldo engrossando no mercado financeiro, o Ibovespa fechou a semana com acumulado negativo de 0,49%. Já o dólar, depois de diversas desvalorizações ao longo dos últimos dias por conta da aversão ao risco, fechou a semana 3,26% mais barato no Brasil.

Com climão entre China e EUA, Bolsa fecha a semana em queda

Prévia da inflação oficial tem alta em julho, puxada pelos preços dos combustíveis

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, subiu 0,3% em julho, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em junho, houve alta de 0,02%. Já no ano, o IPCA-15 acumula alta de 0,67% e, nos últimos 12 meses, a variação acumulada é de 2,13% – acima dos 1,92% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.Já em julho de 2019, houve variação positiva de 0,09%.

O grupo Transportes foi o principal responsável pela alta em julho (1,11%), com impacto de 0,22 ponto percentual, especialmente por causa dos combustíveis. Outros quatro grupos apresentaram alta em julho, como Habitação (0,5% de variação e 0,08 p.p de impacto).

Entre as quedas, destaque para os grupos Vestuário (-0,91%) e Alimentação e bebidas (-0,13%).

Reforma da Previdência e juro baixo reduzem 15% da renda na aposentadoria

Se você está investindo para seu futuro, preste atenção. Segundo estimativa da consultoria Mercer, a reforma da Previdência e o novo patamar das taxas de juros no Brasil podem diminuir em cerca de 15% a renda total de aposentadoria de um participante de previdência complementar.

Para a consultoria, a solução depende tanto de contribuições mais altas quanto uma carteira de investimentos mais diversificada. Para que se tenha ideia, apenas 1% a mais de rendimento real do portfólio ao ano pode fazer uma diferença de 28% no patrimônio total acumulado.

Demanda por crédito do consumidor sobe 6,8% em junho

O indicador de Demanda por Crédito do Consumidor, realizado pelo bureau de crédito Boa Vista em todo o Brasil, mostrou avanço de 6,8% em junho ante a maio, já descontando as influências sazonais.

No acumulado do ano, o indicador caiu 15,4% em comparação ao mesmo período do ano passado. O movimento foi parecido no acumulado em 12 meses: houve queda de 6,3% na demanda por crédito.

“Ademais, dado que a pior fase das adversidades provocadas pela pandemia do novo coronavírus foi entre março e maio, espera-se uma melhora nas perspectivas sobre o consumo e o mercado de trabalho nos próximos meses, fatores que podem afetar positivamente a demanda por crédito nesse período”, disse a empresa.

Receita libera consulta ao 3º lote de restituição de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta sexta-feira a consulta ao terceiro lote do Imposto de Renda de 2020.

Neste lote, quase 4 milhões de contribuintes devem receber R$ 5,7 bilhões – sendo R$ 2 bilhões para aqueles com prioridade legal, como idosos, contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave e contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Estão neste lote, ainda, 2,9 milhões de contribuintes que não prioritários que entregaram a declaração até o dia 28 de março.

*Até o fechamento do texto. Fonte: levantamento feito por jornalistas de G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter e produtora, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) [email protected]

Leia em seguida

Ações dos grandes bancos têm desvalorização e arrastam Bolsa para o vermelho

4 de agosto de 2020

Itaú liderou as quedas na Bolsa e 66 das 75 ações do Ibovespa fecharam em baixa. O que houve para quase todo mundo cair junto? Entenda de um jeito simples!

Bolsas do mundo fecham no azul, mas Ibovespa fica no zero a zero

3 de agosto de 2020

Crescimento da indústria na zona do euro e China impulsionaram as bolsas do mundo, mas o Ibovespa amargou o zero a zero. Entenda o motivo.

Bolsa cai 2%, mas fecha o mês no azul pela quarta vez consecutiva

31 de julho de 2020

Apesar da queda do dia, esperança com uma possível vacina contra o coronavírus ajudou julho a fechar em alta. Saiba o que mais rolou no mercado financeiro.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas