Compradores gastam mais em lojas que aceitam cartão, aponta pesquisa

23 de outubro de 2015 - Por

gastos-com-cartão

quem ama, compartilha!

Estar com o cartão na bolsa deixa tudo muito mais fácil, não é mesmo? Se o seu tiver as funções de crédito e débito juntas então, melhor ainda! Os comerciantes concordam, mas não pelos mesmos motivos que você.

Segundo a pesquisa do Tendências Consultoria, encomendada pela MasterCard, a maioria dos comerciantes acredita que o uso de métodos eletrônicos de pagamento é mais seguro, poupa tempo para troco e contagem de dinheiro no caixa e reduz o custo para pequenos, médios e grandes negócios. Nestes quesitos os consumidores também são beneficiados, mas outros dados revelam que, na percepção dos lojistas, o uso do cartão pode significar mais lucro para eles e mais gastos para o comprador.

Entre os comerciantes existe uma percepção de que o uso dos pagamentos eletrônicos incrementa os negócios e a rentabilidade dos estabelecimentos, não é a toa que 93% concordam que os cartões agregam mais valor à venda. Para 91% dos entrevistados, a aceitação do cartão de débito no estabelecimento aumenta o volume de vendas e atrai mais clientes e 82% enfatizam que o método incentiva o aumento de tíquete médio.

O levantamento mostra que o tíquete médio das transações com dinheiro é de R$ 76,66, mas quando o consumidor pretende pagar com cartão de débito a média gasta sobe para R$ 89,95. Já quando se fala de cartão de crédito, os consumidores gastam em média R$ 128,24 com pagamentos feitos em uma única parcela. Para pagamentos parcelados, o patamar salta para R$ 242,28.

gastos-com-cartão

As pesquisa aponta ainda que a média do valor das transações para débito e crédito podem ser 16% e 67% maiores comparadas ao dinheiro. Se você for comerciante, mais maquininhas no balcão podem ser um bom investimento, além do equipamento oferecer praticidade.

Por outro lado, se você é consumidora, os números só reforçam a necessidade de usar o cartão de forma mais ponderada. Estudos sobre economia comportamental mostram que o ser humano é avesso à perdas, e isso se manifesta de várias maneiras, inclusive na forma como consumimos. Usar “dinheiro de plástico” elimina aquele processo doloroso de ver um bolo de notas saindo da carteira. Você gasta sem sentir que está fazendo isso. De modo contrário, quando uma compra é feita com dinheiro em espécie, você tende a ficar mais cautelosa e reflexiva a respeito da real necessidade do produto, batalha mais em uma negociação, tudo para não lidar com aquele apertinho de ver seu dinheiro saindo das suas mãos para dentro da caixa registradora.

Fotos: Shutterstock

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Avatar
Karoline Gomes

Leia em seguida

como-curtir-a-vida-sem-ser-rica

16 de agosto de 2019

Sempre falamos para pensar no futuro e poupar dinheiro, mas você não precisa deixar de curtir a vida no presente para alcançar seus objetivos. Você pode sextar com as amigas e se divertir gastando pouco dinheiro com as diversas opções de passeios baratos ou gratuitos, ou até mesmo comer bem num restaurante legal. Temos algumas […]

titulo-de-capitalizacao-descubra-como-escapar-dessa-cilada

13 de agosto de 2019

Se você quer ver seu dinheiro render para realizar seus sonhos e garantir um futuro tranquilo, você deve fugir do título de capitalização. Muitas pessoas acham que o título de capitalização é um tipo de investimento, mas na verdade sua grana fica parada e não rende nada. É como jogar na loteria e esperar que […]

crediario-ainda-e-utilizado-para-parcelar-compras-indica-spc

8 de agosto de 2019

O crediário ainda é a opção favorita de 30% dos consumidores para o pagamento de compras, apesar da popularização do cartão de crédito. Esse dado é do levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). As instituições entrevistaram 805 pessoas que utilizaram o famoso carnê, boleto […]

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas