Consumo consciente: por que saber para onde seu dinheiro é destinado?

13 de novembro de 2018 - Por

consumo-consciente-economizar-dinheiro(2)

quem ama, compartilha!

Responda com sinceridade: quantas vezes você já se questionou sobre a origem dos produtos que compra? Muito mais do que economizar, praticar o consumo consciente é estudar a procedência daquilo que consome, que tipo de valores a marca apoia e o histórico dela no mercado. Saber tudo isso te ajudará a não alimentar economicamente marcas que possuam um posicionamento contrário aos seus princípios.

“Hoje, as marcas não vendem apenas produtos, mas um estilo de vida. Uma marca bem posicionada em missão e valores certamente tem um impacto positivo em termos de fidelidade e aceitação com o público. Por exemplo, grande parte dos consumidores deixam de comprar determinado produto se a marca for denunciada por utilizar mão de obra escrava ou poluir rios”, pontua Marcia Jorge, personal stylist, que vai contra essa onda do consumismo e defende o uso da moda e da imagem para melhorar a qualidade de vida e a autoestima.

Estude a procedência de tudo aquilo que você consome

Todas nós temos alguns cuidados ao comprar produtos no supermercado, como conferir a data de validade e ver quais estão com o preço mais competitivo. Outras também verificam todos os ingredientes, calorias e de que forma os alimentos são processados. Isso faz com que você tenha uma economia de dinheiro maior e mais segurança no quesito alimentação.

Isso tudo também se aplica às mercadorias que compramos no dia a dia, seja a blusa de uma loja de departamento ou um item de maquiagem que acabou de ser lançado. Além desses produtos serem capazes de trazer danos à integridade da consumidora, é preciso pensar em como eles foram produzidos – saber se a empresa contribui para o desmatamento ou para a extinção de espécies de animais e plantas deve ser uma preocupação tão séria quanto a validade de um alimento.

Então, por que não levar esse hábito de pensar bem antes de comprar para outras categorias de consumo? “É preciso questionar e avaliar bem a decisão na hora da compra e adquirir apenas o necessário. Informe-se sobre a origem e o destino dos produtos que você consome e busque informações sobre como e por quem foram produzidos. Mercadorias feitas com métodos sustentáveis e em uma relação de emprego saudável ajudam a cadeia produtiva a ser mais responsável e minimiza os impactos no meio ambiente.” pondera Maria Luisa Reis, empresária e idealizadora do Mulheres Visionárias Brasil, plataforma que tem o intuito de colaborar com os projetos sociais na área feminina.

Coloque em prática o seu poder como consumidora

Nos últimos tempos, muito tem se falado sobre posicionamento de marcas frente a questões ligadas ao nosso cotidiano, como preservação ambiental e política. Com isso, a palavra boicote ganhou notoriedade, principalmente nas redes sociais. Isso nada mais é do que um movimento que tem o intuito de sabotar marcas que apoiaram uma ideologia que prejudica um determinado grupo ou foram flagradas cometendo crimes graves, como testes em animais.

consumo-consciente-economizar-dinheiro(2)

Essas campanhas logo ganharam vários adeptos, o que mostra o poder que os consumidores têm em relação às marcas. “Todo poder emana do consumidor. Ele é o ponto focal de qualquer negócio e é quem faz entrar dinheiro na empresa. Um cliente consciente pesquisa os produtos e marcas e, se estão convictos dos valores intrínsecos, consomem e promovem esses produtos”, explica Sergio Dias, economista e consultor do Sebrae.

De acordo com o especialista, caso esses valores não estejam presentes, o cliente tende a rejeitar o produto, age de forma a condená-lo e, consequentemente, desvaloriza a marca. “Ter consciência desse poder e agir com equilíbrio na decisão de uma compra é fundamental para que a cliente exerça seu papel de agente de mudança. Por isso, é de suma importância conhecer a marca e os valores que a empresa fabricante possui em relação à saúde da cliente e a preservação do ambiente. Uma visita aos sites das empresas e a leitura do rótulo, composição ou bula do produto podem lhe dar essas informações”, complementa Dias.

“Estamos em tempos de redes sociais que replicam e espalham informações e impressões a uma velocidade meteórica. Se antes a opinião do consumidor era importante, agora é uma ordem. Para as empresas, dar um passo em falso pode ser fatal. Neste sentido, é importante entender que o consumo consciente envolve conhecimento”, comenta Jorge.

Para ela, o consumo consciente também é dizer não aos excessos e pensar bem antes de comprar algo novo. “Pesquisar na internet pode ser uma maneira prática e rápida de obter as mais variadas informações. Mas também ir a campo e ouvir a opinião de pessoas que conhecem a marca é uma excelente pedida”, conclui.

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Gabriella Bertoni
Gabriella Bertoni
Repórter, produz matérias para o Finanças Femininas. Apaixonada por livros e por contar histórias, é recém-chegada em São Paulo e ainda está completamente perdida, mas adorando a cidade.
Fale comigo! :) gabriella@financasfemininas.com.br

Leia em seguida

compra-impulso

29 de maio de 2018

Você já deve ter comprado por impulso algumas vezes na vida, mas sabe como surgiu essa cultura do excesso? Conheça o lowsumerism e saiba como melhorar seus hábitos de consumo.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas