Dívidas: saiba como conseguir empréstimos baratos

8 de abril de 2020 - Por

Dívidas: saiba como conseguir empréstimos baratos

quem ama, compartilha!

As dívidas do cartão de crédito e cheque especial não entraram no pacote de medidas anunciadas pelos cinco maiores bancos do País (Bradesco, Itaú, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) para atenuar os impactos econômicos do novo coronavírus.

Segundo o comunicado da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), pessoas físicas, micro e pequenas empresas com pagamentos em dia podem adiar as parcelas de empréstimos e financiamentos em andamento por até 60 dias. Apesar da alta procura, mostramos aqui que é necessário ficar atenta às propostas oferecidas pelas instituições para não cair em ciladas.

No entanto, o levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostrou que 78,4% das famílias possuem dívidas no cartão de crédito. No total, 66,2% famílias brasileiras estão endividadas e a entidade acredita que crise causada pela pandemia do novo coronavírus pode piorar o quadro.

Outra pesquisa, realizada pelo Instituto FSB em parceria com o BTG Pactual, aponta que o salário de 25% dos trabalhadores já foi afetado pela crise. Desse grupo, 11% já tiveram o salário reduzido e outros 15% perderam a renda. A perda salarial média entre as pessoas que estão ganhando menos é de 44%.

Diante desse cenário, surgem muitas dúvidas sobre a melhor forma de pagar as dívidas do cartão de crédito e cheque especial. Por isso, reunimos algumas opções que podem te ajudar a sair desse sufoco.

Como pagar as dívidas?

No cenário ideal, todas as pessoas deveriam ter uma reserva de emergência para imprevistos. Sempre falamos sobre a importância de guardar pelo menos 20% do seu salário todos os meses. Isso pode te ajudar a enfrentar momentos de crise, perda de emprego e outras adversidades.

Caso você não possua uma reserva neste momento de crise, a recomendação para quitar a fatura do cartão de crédito e cheque especial é refinanciar. Dessa forma, você troca uma dívida mais cara por outra barata.

Dados do Banco Central mostram que os juros médios do cartão de crédito somam 322,6% ao ano e do cheque especial chegam a 130% ao ano. Enquanto o crédito pessoal ficou em 40,2% ao ano.

dividas-saiba-como-conseguir-emprestimos-baratos
“A taxa de juros de um empréstimo é a somatória de vários elementos no sistema bancário. Nessa taxa precisa embutir o risco de inadimplência, custo do serviço, grau de concorrência interbancária e o quanto a demanda está aquecida pelo dinheiro” , explica Anderson Pellegrino, professor de economia da IBE Conveniada FGV.

Além disso, as instituições bancárias utilizam a taxa Selic, que atualmente está em 3,75%, como parâmetro para o cálculo da taxa de juros dos empréstimos – quanto mais alta ela estiver, mais salgados serão os juros. Portanto, é necessário acompanhar o cenário da economia nacional para contratar o crédito.

Onde conseguir empréstimos baratos para pagar dívidas?

É muito cômodo abrir o aplicativo do celular e pegar o crédito pessoal oferecido pelo seu banco, mas é importante saber que há uma discrepante variação das taxas de juros cobradas pelas instituições financeiras. Portanto, é essencial avaliar e comparar todas as opções que o mercado oferece.

O Banco Central disponibiliza em seu site uma tabela com os juros pré-fixados nas operações de crédito. Veja a seguir as taxas médias cobradas pelas cinco principais instituições bancárias do Brasil.

Dívidas: saiba como conseguir empréstimos baratos

 

Com a regulamentação das fintechs pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2018, as consumidoras e empreendedoras ganharam mais uma opção para conseguir empréstimos baratos. O grande diferencial das startups do mercado financeiro são as concessões facilitadas de créditos com menor taxa de juros. Ademais, o custo operacional costuma ser baixo por realizar operações online, diferente dos bancos tradicionais que têm agências. Confira algumas opções.

Creditas

É uma plataforma que oferece empréstimo online com garantia de imóvel e veículo. A modalidade é muito comum nos Estados Unidos e Europa por facilitar a liberação do crédito e oferecer juros mais baixos, pois a instituição financeira entende que o cliente não deixará de pagar a dívida.

No empréstimo pessoal comum, os bancos costumam avaliar o histórico do cliente e aspectos como, contas atrasadas, pagamento de outros empréstimos e financiamentos para entender se o consumidor terá condições de devolver o dinheiro emprestado.

O site da fintech oferece todas as informações sobre o serviço e simulação. No empréstimo com garantia de imóvel é possível conseguir até 60% do valor da casa ou apartamento, com taxas a partir de 0,89% ao mês + IPCA e prazo de 180 meses para quitar a dívida. Contudo, antes de embarcar nessa modalidade, é preciso estar ciente do risco de perda. Leia mais sobre o crédito com garantia, aqui.

Já o empréstimo com garantia de veículo, tem juros a partir de 1,49% ao mês e até 60 meses para pagar. A consumidora pode conseguir até 90% do valor do carro.

Outra opção oferecida pela Creditas é o empréstimo consignado para funcionários de empresas privadas com carteira assinada e taxas de juros a partir de 1,19% ao mês. Nesta categoria, as parcelas mensais não ultrapassam 30% do seu salário e serão descontadas diretamente da sua folha de pagamento.

Geru

Disponibiliza empréstimos online de 2 a 50 mil, com taxas de juros personalizadas que variam entre 2% e 8,2% ao mês. O prazo para pagamento é de 36 vezes. A solicitação de crédito pessoal é muito rápida, basta fazer a simulação do valor desejado, enviar os documentos via internet e aguardar aprovação do pedido.

Se aprovado, a cliente pode assinar o contrato pelo celular ou computador e receber o dinheiro em até 1 dia útil.

Lendico

É uma empresa alemã com atuação global e oferece empréstimos pessoais com taxas de juros entre 2,84% e 9,27% ao mês. É possível fazer a simulação no site e receber uma proposta em poucos minutos.

Se você estiver de acordo e assinar o contrato até às 13h, o dinheiro será depositado na sua conta no mesmo dia. O prazo para pagamento é de até 36 meses, dependendo da avaliação do crédito.

Cuidados na hora de contratar um empréstimo

“O primeiro passo é pesquisar diferentes modalidades de crédito e juros praticados. Hoje a oferta aumentou, então não caia naquela armadilha da facilidade e da zona de conforto de ir apenas ao seu banco. Consulte as fintechs que tem bons mecanismos de comunicação e as cooperativas de crédito que desempenham um papel importante nesse circuito”, diz Pellegrino.

Contudo, os juros não são os únicos fatores que devem ser levados em consideração. A consumidora precisa ficar muito atenta ao CET (Custo Efetivo Total) que reúne todas as taxas e encargos cobrados no empréstimo – incluindo os juros, tributos, seguros e tarifas. Normalmente, elas não ficam explícitas no ato da contratação, por isso você deve ler as letrinhas miúdas da proposta, questionar e solicitar tudo que está incluso na sua parcela.

“Isso dá trabalho, mas é uma recomendação importante para o uso consciente do dinheiro. O mercado está em plena mudança, a oferta está crescendo e o consumidor tem chance de comparar para fazer um bom negócio e não ter dor de cabeça”, conclui.

Fotos: AdobeStock.

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Carol Nogueira
Carol Nogueira
Repórter do Finanças Femininas, fã de David Bowie e John Coltrane. Passa o tempo livre pesquisando textos da Sylvia Plath e assistindo séries na Netflix.
Fale comigo! :) [email protected]

Leia em seguida

guia-como-pegar-dinheiro-emprestado-e-nao-se-enrolar

12 de maio de 2020

Por conta da crise financeira, muitas famílias vão precisar pegar dinheiro emprestado para pagar as dívidas. Veja o que você precisa considerar antes de fazer um empréstimo.

selic-cai-para-425-ao-ano-e-copom-sinaliza-fim-do-ciclo-de-cortes

6 de fevereiro de 2020

Pela quinta vez consecutiva, a taxa Selic foi reduzida e chegou a 4,25% ao ano. Veja como a decisão do Copom afeta seu dia a dia.

Taxa Selic a 4,5% ao ano: quais os reflexos nas aplicações de renda fixa?

12 de dezembro de 2019

A Selic fecha 2019 em 4,5% ao ano após o novo corte do Banco Central. Com a queda da taxa de juros, como ficam as aplicações de renda fixa? Descubra.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas