Entenda como as novas regras do cartão de crédito podem te afetar

Entenda como as novas regras do cartão de crédito podem te afetar

Se você está enrolada no cartão de crédito e costuma pagar apenas o mínimo da fatura (ou nem isso), fique atenta. Entrou em vigor na última sexta-feira (01/06) as novas regras na cobrança de juros dessa modalidade. O alerta sobre a mudança se torna ainda mais relevante se levarmos em consideração um dado de pesquisa recente feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL): 20% dos consumidores ouvidos na pesquisa declararam que costumam utilizar o cartão de crédito como extensão da própria renda.

A pesquisa, divulgada no início de junho, revelou que 33% dos entrevistados já tiveram o cartão bloqueado por atrasar o pagamento da fatura, principalmente nas classes C, D e E. Quase metade (48%) do que utilizaram o cartão nos últimos doze meses já ficou com o nome sujo devido à inadimplência no pagamento. O levantamento ouviu 910 pessoas, nas 27 capitais, acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais.

Entenda o que muda:

Entre outras mudanças nos juros, as operadoras dos cartões poderão definir o valor mínimo das faturas, de acordo com o perfil do cliente e do seu relacionamento com a instituição. Antes, o mínimo era fixado em 15% do valor total para todas as instituições. As medidas foram aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no fim de abril.

Antes, quando a cliente entrava no rotativo do cartão, mas pagava no mínimo 15% da fatura, ficava na categoria ‘regular’. Neste caso, os juros eram, em média, 239% ao ano. Já as que não pagavam nem o mínimo ficavam por até 30 dias na categoria ‘não regular’, com taxas de 397% ao ano.

A partir de agora, haverá a cobrança de apenas um valor no rotativo, de acordo com a chamada ‘taxa regular’, que deve constar no contrato e cada banco fica livre para escolher o percentual. Porém, a cliente precisa ser avisada com no mínimo 30 dias de antecedência do novo valor ser cobrado.

“Essa é uma pequena diminuição dos juros para quem não pagava o mínimo da fatura. Acredito que as novas regras terão um efeito bastante limitado nessa redução. O que pode melhorar é a relação do banco com os clientes, uma vez que isso flexibilizará o mínimo da fatura de acordo com o histórico de pagamento”, comenta Daniel Calonge, CEO da Monetus e especialista em finanças e investimentos.

O cartão de crédito, infelizmente, é um instrumento amplamente utilizado pela população em função de sua praticidade – mas isso custa muito caro. “O cartão de crédito não é o grande vilão, ele é simplesmente um meio de pagamento, uma modalidade de moeda bastante vantajosa com uma série de benefícios, como planos de recompensas, milhagens, descontos, seguros, uso de salas VIP em aeroportos, dentre outros. A questão é saber como utilizá-lo”, pontua Juliane Ganem, coach financeira.

Para ela, o grande erro está em usar o cartão de crédito como financiamento de despesas. “Na verdade você gasta um dinheiro que não tem ao usar o cartão para satisfazer uma necessidade, na maioria das vezes, supérflua. Dessa forma, você cria uma dívida que não está dentro da sua capacidade financeira e é justamente a falta de controle que gera o ciclo vicioso da dívida.”

Em modalidades como cartão de crédito e cheque especial, esse ciclo é agravado pelas altas taxas de juros que, em muitos casos, inviabilizam os pagamentos, deixando a pessoa completamente endividada. Por conta disso, o primeiro passo para se livrar das dívidas do cartão de crédito é o planejamento financeiro.

“Temos uma população que não sabe poupar, que gasta sempre mais do que ganha e não tem nenhum planejamento. Mudar as regras e diminuir os juros é apenas uma solução paliativa e não acaba com o problema central, que é a falta de educação financeira da população”, ressalta Juliane.

Como organizar a vida financeira com as novas regras?

Para conquistar uma vida financeira mais equilibrada, é preciso aprender a usar o seu cartão de crédito de forma saudável e programar-se para pagar a fatura por completo. Para isso, é importante pensar em cada compra feita, se ela realmente é necessária e evitar ao máximo estender as parcelas.

regras-rotativo

“Conhecer suas finanças e saber o quanto pode pagar te dá a segurança necessária para não cair no rotativo do cartão. O que geralmente acontece é que as pessoas se descontrolam comprando mais do que podem e não conseguem pagar o valor total da fatura. Para evitar o aperto financeiro, sugiro poupar pelo menos 20% do salário líquido, como uma forma de construir uma reserva financeira e uma garantia para possíveis surpresas no meio do caminho”, sugere Juliane.

Já tenho dívidas no cartão. O que fazer?

Se você já entrou no rotativo e não consegue se livrar dele, é preciso manter a calma e se planejar. Pense sempre que o cartão de crédito é uma forma de pagamento, não um dinheiro extra. “É preciso entender isso no momento da compra e analisar se você realmente precisa daquele item. Por ser uma forma de pagamento, é fundamental pagar a fatura toda, justamente por ser o crédito mais caro do mercado”, explica Calonge.

Outra dica de Juliane é olhar para os lados e procurar oportunidades ao seu redor, como vender roupas, eletrodomésticos e tudo aquilo que você não usa mais. Esse é o momento de fazer dinheiro para quitar a sua fatura. Se não encontrar nada, tente uma renegociação com o seu próprio banco onde tem conta, pois eles possuem linhas de crédito com taxas bem menores que a do seu cartão de crédito.

“Uma outra opção é refinanciar bens, como um carro por exemplo, com juros menores. São algumas soluções para você pagar sua fatura com as menores taxas possíveis. No entanto, a verdadeira saída, e certamente a mais eficaz, é fazer o seu planejamento financeiro e passar a dominar as suas finanças. Esse é o caminho para o sucesso financeiro”, conclui.

Se você quer se livrar das dívidas sem abrir mão das vantagens que traz um cartão de crédito, uma alternativa é optar pelo cartão de crédito pré-pago. Conheça o produto do Finanças Femininas!


Fotos: Fotolia

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Você gostou desse conteúdo?

Gabriella Bertoni

Gabriella Bertoni

Repórter, produz matérias para o Finanças Femininas. Apaixonada por livros e por contar histórias, é recém-chegada em São Paulo e ainda está completamente perdida, mas adorando a cidade.
Fale comigo! :) gabriella@financasfemininas.com.br

close