Manual da separação

3 de julho de 2013 - Por

quem ama, compartilha!

O casamento não vai bem, você não está mais feliz com seu marido, mas ainda há uma coisa que a prende na relação: seus filhos. Só de pensar no trauma que isso pode deixar para eles, você estremece. Mas deixar de fazer algo para a sua felicidade não é justo nem com você nem com seus filhos. Por isso, na hora de tomar essa decisão, vale a pena seguir alguns passos simples que ajudam a não deixar mal entendidos nem traumas.

A psicóloga e autora do livro “Criando filhos em tempos difíceis – Atitudes e brincadeiras para uma infância feliz”, Elizabeth Monteiro, esclarece alguns pontos:

1 – Seja clara
“A explicação para o que está acontecendo deve ser simples e clara, adaptando-se à idade do filho”, diz. “Papai e mamãe estão brigando muito, você já deve ter percebido isso, e nós resolvemos morar em casas diferentes, porque assim brigaremos menos”, exemplifica.

É importante deixar um espaço aberto para que os filhos façam todas as perguntas que achem necessárias. Esclareça que você e seu marido ainda se gostam e se respeitam, e exatamente por isso preferem se afastar para não haver mais brigas.

2 – Os pais decidem quem fica com a criança
“Ela não tem capacidade para decidir isso. Aquele que tiver melhores condições psíquicas e financeiras, aquele que tiver o melhor vínculo com a criança, deve ficar com ela”, diz Elizabeth.

3 – Separe as coisas
É importante entender que existem duas pessoas: seu ex-marido e o pai dos seus filhos. Apesar de isto parecer ambíguo e óbvio, é necessário que você, mãe, tenha essa noção, para não misturar as coisas.

“Os pais devem se lembrar de que não são mais marido e mulher, mas que continuarão sendo pais dessa criança até o fim de suas vidas. Portanto, devem ter uma convivência pacífica e amiga. Os dois devem ser cúmplices e parceiros nos cuidados e na educação do filho, resolvendo tudo com acordo e coerência. E o mais importante: nunca, nunca um deve destruir a imagem que a criança tem do outro”, diz a psicóloga.

Betty diz, ainda, que não é toda criança que precisa ir para a terapia após a separação dos pais. “Na verdade, não é a separação em si que faz mal para uma criança, mas a maneira como ela é feita e a forma como os pais se relacionam após a separação”, esclarece.

Já passou por esta situação? Quais foram as suas dificuldades?

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

carolinaruhman
Carol Sandler
Carol Sandler é fundadora do Finanças Femininas, a maior plataforma online do Brasil de empoderamento feminino através da educação financeira. Apresenta o quadro "Carol, cadê meu dindin" semanalmente no programa SuperPoderosas, da TV Band. Autora do livro "Detox das Compras (Saraiva, 2017) e coautora do livro “Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015), junto com o economista Samy Dana. Estudou Jornalismo na PUC-SP e Economia e Relações Internacionais no Institut d’Études Politiques de la France, em Paris. Colunista do site da revista CLAUDIA e do portal Tempo de Mulher.

Leia em seguida

licoes-dinheiro-filha

21 de março de 2019

Educação financeira infantil é fundamental para criar filhas independentes e que sabem cuidar do próprio dinheiro. O primeiro passo é falar sobre. Veja como!

educacao-financeira-pais-de-primeira-viagem 01

19 de fevereiro de 2019

Dar exemplo é apenas a primeira dica para pais de primeira viagem ensinar educação financeira para crianças. Carol Sandler ensina aqui outros segredos fáceis de aplicar!

festa-infantil-luxuosa(2)

5 de setembro de 2018

Os exageros nas festas infantis podem influenciar não só na quantidade de dívidas dos pais, mas também na percepção de mundo dos pequenos. Saiba como isso pode prejudicar o seu filho!

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas