O maior erro que você pode cometer quando quer investir

19 de julho de 2016 - Por

erro-investir

quem ama, compartilha!

*Carolina Ruhman Sandler

Recebo sempre depoimentos e dúvidas de leitoras, todos sempre com a mesma questão: quero aprender a investir, mas não sei qual investimento escolher. E enquanto não escolhem, o dinheiro fica ali parado na conta corrente – e perdendo para a inflação.

Escolher uma aplicação financeira parece uma missão impossível. São diversos tipos diferentes, cada um com suas especificidades, taxas e cobranças. CDB, LCI, Tesouro Direto – parece uma sopa de letras. Para complicar, na hora que você opta por um, descobre que existem dezenas de opções diferentes.

No CDB, por exemplo, você precisa definir se quer um pré ou pós-fixado. No Tesouro Direto é pior ainda: você precisa escolher qual tipo de título (indexado ao IPCA ou à taxa Selic?), com vários vencimentos possíveis e ainda com a possibilidade de ter ou não pagamento de juros semestrais.

Então o que fazer? O correto é estudar as opções, entender qual se adequa mais ao seu perfil e tomar logo uma decisão. Mas com tantas e tantas opções e alternativas diferentes, é muito fácil deixar sempre esta tarefa para depois.

Leitura complementar

Investimento para iniciantes

Investimento para iniciantes

Ver mais

Quando isso acontece, no entanto, você virou vítima de um fenômeno chamado cegueira informacional. É como quando você abre o cardápio enorme de um restaurante e fica completamente zonza, sem saber se pede uma salada, uma massa ou uma carne. Como escolher a melhor opção?

O problema é que no restaurante você é forçada (pela fome ou pelo garçom!) a pedir logo um prato. Já o seu dinheiro não te pergunta se você já está pronta para aplicar o seu dinheiro ou se precisa de mais 5 minutinhos para escolher.

como_investir

A cegueira informacional acontece quando você se sente tão atolada com a multiplicidade de opções existentes que acaba deixando a decisão para depois. Como seria bom se só existissem duas ou três opções diferentes de investimento, não? Escolher seria muito mais fácil neste caso.

Não tomar uma decisão na hora parece não ter nenhum problema – você deixa para olhar aquele material à noite ou no fim de semana. Só que com a procrastinação, o depois acaba virando nunca – e este é justamente o maior erro que você pode cometer quando quer investir o seu dinheiro.

A diferença de rendimento entre um CDB ou um título do Tesouro Direto é sempre marginal quando comparada com a opção de deixar o dinheiro parado na conta corrente. Com a inflação alta que vivemos atualmente, perdemos poder de compra muito rapidamente. A inflação é uma vilã invisível: você não sente os efeitos dela no curto prazo, mas ainda assim ela corrói o seu poder de compra. Se o seu dinheiro não está aplicado, você o perde e não percebe.

Por isso, chega de procrastinação! Para te ajudar a investir bem o seu dinheiro, você só precisa ficar atenta aos seguintes pontos:

– A liquidez da aplicação – isso representa em quanto tempo você pode ter o dinheiro de volta na sua conta se precisar dele. Evite então investir todo o seu dinheiro em uma aplicação de liquidez baixa, pois você pode não conseguir resgatar o dinheiro se precisar com urgência.

– As taxas e impostos cobrados – alguns investimentos não têm cobrança de IR, outros têm. Alguns não têm taxa de administração, outros sim. Verifique sempre os custos da aplicação.

– O perfil de risco – investir em ações é bem mais arriscado do que comprar um título do Tesouro Direto, por exemplo.

– O prazo do investimento – previdência privada, por exemplo, é para o longo prazo, e se você resgatar antes da hora pode ter uma cobrança altíssima de IR.

De olho nestes fatores, escolha uma aplicação e comece agora. Se deixar para depois, a inflação pode acabar destruindo o seu poder de compra sem você se dar conta.

*Carolina Ruhman Sandler é a fundadora do site Finanças Femininas e coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva). Jornalista, tem 32 anos, é casada e mãe da Beatriz.

Foto: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

carolinaruhman
Carol Sandler
Carol Sandler é fundadora do Finanças Femininas, a maior plataforma online do Brasil de empoderamento feminino através da educação financeira. Apresenta o quadro "Carol, cadê meu dindin" semanalmente no programa SuperPoderosas, da TV Band. Autora do livro "Detox das Compras (Saraiva, 2017) e coautora do livro “Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015), junto com o economista Samy Dana. Estudou Jornalismo na PUC-SP e Economia e Relações Internacionais no Institut d’Études Politiques de la France, em Paris. Colunista do site da revista CLAUDIA e do portal Tempo de Mulher.

Leia em seguida

17 de julho de 2019

A rentabilidade é uma dúvida frequente das investidoras, mas agora que você sabe o que é CDB, LCI, LCA, CDI, e também já aprendeu tudo sobre Tesouro Direto e Tesouro Selic, chegou a hora de descobrir como comparar a rentabilidade do seu investimento. O primeiro ponto a entender é que enquanto o Tesouro Selic e […]

15 de julho de 2019

Poupar para o futuro pode ser desafiador. Esta regra pode ajudá-la a saber se está no caminho certo ao planejar a aposentadoria.

11 de julho de 2019

Você decidiu fazer um investimento em renda fixa, mas está confusa com a sopa de letrinhas de CDB, LCI e LCA? Calma! Não fique apavorada, porque é muito fácil e vamos te ensinar tudo que você precisa saber para investir. A renda fixa é uma aplicação segura e o primeiro passo para quem deseja embarcar […]

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas