Poupar dinheiro após os 35: saiba como investir para se aposentar

10 de outubro de 2019 - Por

poupar-dinheiro-apos-os-35-saiba-como-planejar-a-aposentadoria

quem ama, compartilha!

Aposentar com tranquilidade para curtir a vida, realizar uma grande viagem, aproveitar os netinhos ou quem sabe encarar novos desafios profissionais, é o desejo de todas as pessoas. Planejar o futuro é um passo estratégico que você deve iniciar o quanto antes para não depender apenas do benefício do INSS, sobretudo, após a reforma da Previdência.

Uma pesquisa revelou que seis em cada dez brasileiros (59%) não se preparam financeiramente para aposentar. A principal justificativa dos 804 entrevistados é o orçamento apertado. Os dados são de março e foram coletados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com o Banco Central do Brasil (BCB).

Segundo o levantamento,  entre as pessoas que estão guardando dinheiro para a aposentadoria, 42% colocam seus recursos em aplicações financeiras, sobretudo, previdência privada (20%) e os demais em outros ativos, como ações e fundos.

Se você faz parte desse percentual de pessoas que não tem planejamento financeiro para se aposentar e já passou dos 35 anos, está na hora de começar a poupar dinheiro. Conversamos com uma especialista para te ajudar a investir no futuro.

Aposentar com tranquilidade

Você pode até pensar que planejar a aposentadoria após o 35 anos é tarde demais, mas não é. Para iniciar seu planejamento financeiro é necessário definir qual rendimento você gostaria de ter ao se aposentar e em quanto tempo você pretende parar de trabalhar, de acordo com Erica Santos, sócia da Ella’s Investimentos. Avalie também quanto da sua renda é possível poupar para o futuro.

“Quanto mais cedo começar a se preparar para a aposentadoria, melhor. Contudo, nunca é tarde para começar a investir, o importante é começar”, afirma Santos.

Para definir o valor que você vai investir todos os meses, utilize o modelo de orçamento 50,30,20. Com ele, 50% da sua renda líquida mensal fica para os gastos considerados fundamentais, como aluguel, alimentação, transporte, internet, entre outros; 30% para os supérfluos que são aqueles gastos que deixam a vida mais leve, como jantares, lazer, compras e a cervejinha com as amigas e 20% do seu salário vai para os seus investimentos, aposentadoria e o dinheiro necessário para realizar seus sonhos.

Onde investir para aposentar?

Antes de investir é importante conhecer o seu perfil de investidora – conservadora, moderada ou arrojada – para escolher as aplicações financeiras. “O perfil de investidora é importante para orientar as escolhas de produtos compatíveis com seus objetivos, de acordo com a sua tolerância a risco e as suas expectativas de investimento”, explica Santos.

Parte do seu dinheiro pode ser aplicado nos planos de previdência privada que pode ser do tipo PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) ou VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). Vale salientar que o VGBL tem o imposto de renda aplicado sobre os rendimentos, enquanto no PGBL, o IR incide sobre o montante investido.

Na hora de escolher o plano de previdência privada, a investidora deve ficar atenta aos modelos de tributação: regressiva e progressiva. Geralmente, a regressiva compensa mais para investimentos de longo prazo, portanto se você pretende deixar o seu dinheiro aplicado por mais de dez anos, escolha a opção regressiva que reduz a alíquota do imposto ao longo do tempo.

Para investimentos até 2 anos (alíquota de 35% ao ano)
2 a 4 anos (30%)
4 a 6 anos (25%)
6 a 8 anos (20%)
8 a 10 (15%)
Mais de 10 anos (10%)

Por outro lado, no modelo progressivo, o percentual do imposto de renda é calculado pelo valor do salário base e funciona da seguinte forma:

Se você ganha até R$1.903,98 (alíquota de o%)
R$1.903,99 até R$2.826,65 (7,5%)
R$ 2.826,66 até R$3.751,05 (15%)
R$ 3.751,06 até R$ 4.664, 68 (22,5%)
Mais de R$ 4.664, 68 (27,5%)

Dessa forma, só vale a pena escolher o modelo progressivo se você tiver um salário base que se encaixa nas duas primeiras faixas de alíquota do IR. É possível fazer a portabilidade para o modelo regressivo.

Além dos planos de previdência privada, uma boa alternativa é montar uma carteira de investimentos diversificada de acordo com o seu perfil de investidora, assim você distribui seus recursos em vários segmentos do mercado financeiro. “No caso da mulher (com mais de 35 anos) é indicado uma carteira moderada, pois ela tem alguns investimentos de renda fixa e renda variável, como um Fundo de Ações”, complementa Santos.

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Carol Nogueira
Carol Nogueira
Repórter do Finanças Femininas, fã de David Bowie e John Coltrane. Passa o tempo livre pesquisando textos da Sylvia Plath e assistindo séries na Netflix.

Leia em seguida

previdencia-privada-ou-poupanca

17 de agosto de 2017

Será que, depois de todas as taxas e impostos, a previdência privada rende mais do que a poupança? Essas dicas mostram como descobrir. Veja!

resgate_antecipado_previdencia

14 de agosto de 2017

Planos de previdência são feitos para o longo prazo. Resgatá-los antes do tempo pode prejudicar (e muito) os seus esforços. Entenda por quê.

vgbl-ou-tesouro-direto-aposentadoria

21 de junho de 2017

Na hora de pensar na aposentadoria, nem sempre a Previdência Privada VGBL é a melhor opção. Veja como descobrir qual é o melhor para você!

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas