Primeiros passos para começar a investir no mercado de ações

4 de novembro de 2019 - Por

primeiros-passos-para-comecar-a-investir-no-mercado-de-acoes

quem ama, compartilha!

Se você está pensando em investir no mercado de ações, essa pode ser uma boa hora. A taxa de juros baixa favorece as aplicações financeiras. E, com a perspectiva de crescimento econômico, mais investidores estrangeiros são atraídos para o País. Sempre que falamos em investimentos de renda variável, é importante frisar que você deve entender se esse tipo de aplicação financeira combina com o seu perfil de investidora. Entender isso é fundamental antes de dar qualquer passo. Se o seu perfil não estiver alinhado com esse tipo de investimento, de nada adiantam as condições favoráveis do mercado financeiro.

Porém, essa é uma modalidade que exige muito mais pesquisa e preparo por parte da investidora. “A complexidade desse mercado é muito superior à do mercado de renda fixa. A primeira decisão a tomar é se fará isso sozinha, por conta própria, ou se irá investir coletivamente, mediante adesão a fundos ou clubes de investimento”, explica Marcia Dessen, diretora da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar).

Confira abaixo dicas de como começar a investir no mercado de ações.

Qual a diferença entre mercado financeiro e mercado de capitais?

Nesta modalidade, existem dois grandes mercados de intermediação de recursos financeiros: o mercado financeiro e o mercado de capitais. No mercado financeiro, os investidores emprestam dinheiro para as instituições financeiras por intermédio das tradicionais aplicações em renda fixa (Poupança, CDB, LCI, LCA) e recebem juros. “As instituições, por sua vez, emprestam para pessoas e empresas que precisam de dinheiro para suprir diversas necessidades de caixa. Ganham o famoso spread, diferença entre a taxa de juros paga aos investidores e cobrada dos solicitantes de crédito. O custo da intermediação resulta em menor rentabilidade para os investidores e maior custo para quem toma o empréstimo”, comenta Marcia.

Já no mercado de capitais, as grandes empresas abrem seus capitais e dispensam a intermediação bancária ao vender ações para investidores dispostos a apostar no crescimento e rentabilidade da empresa. “Quem investe não sabe o quanto vai ganhar, por isso são conhecidas como operações de renda variável. Mas os investidores acreditam que vão ganhar mais do que nas operações de renda fixa”, esclarece Marcia.

Aplicação individual ou coletiva

Para fazer uma aplicação individual, basta abrir uma conta em uma corretora de valores ou banco que ofereça esse serviço e começar a operar. Você deve responder ao API – Análise do Perfil do Investidor – e descobrir em qual perfil de investidora você se encaixa.

primeiros-passos-para-comecar-a-investir-no-mercado-de-acoes

Se decidir pelo investimento coletivo, pesquise e encontre um fundo de investimento que adote uma política de investimento semelhante à que tem em mente.

“Quem optar por investir sozinha precisa buscar ainda um bom conhecimento sobre a tributação das aplicações em renda variável. Compete ao investidor calcular o ganho de capital e recolher o imposto de renda devido no mês subsequente ao da venda. E mais tarde, na declaração de ajuste anual, consolidar todas as transações realizadas durante o exercício fiscal. Dá trabalho, mas vale a pena”, pontua Marcia.

Perfil de investidora

São três perfis de investidora: a conservadora prioriza a segurança e a liquidez nas aplicações financeiras, ao invés da alta rentabilidade. A moderada é a investidora que gosta da segurança de uma renda fixa, mas quer diversificar a carteira de investimentos. Por fim, temos a agressiva, que busca o máximo de retorno possível, sem receio dos riscos da renda variável.

Procurar uma corretora que tenha uma equipe técnica pode te ajudar a escolher qual se encaixa melhor em seu perfil, já que não existe tempo nem valor mínimo para investir.

Para tomar a decisão, deve-se levar em consideração o seu perfil de investidora, o risco que você está disposta a assumir, a quantidade de capital e o tempo que pretende manter o investimento. O analista vai orientar, mas quem toma a decisão é você.

Passos curtos para ganhar experiência

A dica de Marcia é começar com 5% do capital disponível para testar o mercado e aprender com a experiência. “E se autoconhecer, avaliar como se sente na volatilidade de preços desse mercado. Acima de 20% da carteira em ações é considerada uma estratégia agressiva de investimento. Pense em um tempo bem longo. Embora a liquidez seja diária, ou seja, as ações (e cotas de fundos) podem ser vendidas a qualquer momento, talvez seja necessário esperar alguns anos para colher o resultado esperado.”

“É famosa a história de um grupo de senhoras norte-americanas, donas de casa, que tiveram excelente retorno na carteira de investimento que montaram, superando inclusive o desempenho de investidores profissionais. Sabe como elas escolhiam as ações para investir? Só compravam ações de empresas dos seus produtos preferidos de consumo. Se não compravam determinada marca de sabão em pó, não compravam ações da fabricante. Investiam nas marcas que invariavelmente, a despeito do preço, não deixavam de entrar no carrinho de compras da família”, conclui Marcia.

Pesquise sobre o mercado

Marcia lista, ainda, três fontes de conhecimento para quem quer começar a investir no mercado de ações.

  • A CVM Comissão de Valores Mobiliários é o órgão regulador e fiscalizador desse mercado e oferece um bom site, com muita informação ao investidor.
  • A B3 (antiga BM&FBOVESPA), ambiente onde são negociadas as ações, também oferece muita informação sobre esse mercado.
  • Na internet a investidora encontra uma centena de informações. Mas é preciso cuidado para filtrar. No início, estabeleça relacionamento com uma corretora de confiança e procure aprender com ela.

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Gabriella Bertoni
Gabriella Bertoni
Repórter, produz matérias para o Finanças Femininas. Apaixonada por livros e por contar histórias, é recém-chegada em São Paulo e ainda está completamente perdida, mas adorando a cidade.
Fale comigo! :) gabriella@financasfemininas.com.br

Leia em seguida

com-a-selic-a-5-5-investimentos-em-renda-fixa-ainda-valem-a-pena

19 de setembro de 2019

A taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, caiu 0,5 ponto percentual e alcançou o patamar de 5,5% ao ano. Foi o segundo corte consecutivo de 2019, efetuado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). O anúncio aconteceu nesta quarta (18) e confirmou a expectativa da maioria dos especialistas do […]

taxa-selic-a-6-ao-ano-o-que-muda-na-sua-vida

1 de agosto de 2019

Após 16 meses, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, de 6,5% para 6% ao ano. O novo corte coloca a taxa básica de juros da economia brasileira no menor patamar histórico desde 1999. A redução ficou dentro das expectativas dos especialistas que esperavam […]

investimento_2017

12 de dezembro de 2016

Poupar é o ponto de partida para realizar sonhos. Confira as dicas de investimentos para 2017.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas