Tensões na política brasileira e conflito entre EUA e China puxam Bolsa

22 de maio de 2020 - Por

Vídeo da reunião ministerial mexe com o mercado e Bolsa fecha em queda

quem ama, compartilha!

Esse texto faz parte da cobertura do Finanças Femininas para traduzir o que está acontecendo com o mercado financeiro durante a pandemia do coronavírus. Ajudamos você a se informar com uma linguagem simples, sem economês e sem pânico!

Ibovespa: -1,03% (82.173)

Dólar: -0,15% (R$ 5,57)

Casos de coronavírus: 319.069 confirmados e 20.541 óbitos*

Resumo:

  • Ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou na íntegra vídeo da reunião ministerial de 22 de abril;
  • Receita abriu o primeiro lote de restituição do Imposto de Renda esta sexta (22);
  • população prefere pagar contas e atrasar dívidas e boletos, diz Boa Vista;
  • trabalhador tem perda salarial real de 28% em negociações, aponta Salariômetro.

A expectativa de liberação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril – liberado no final da tarde pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) – mexeu com o humor do mercado ao longo desta sexta-feira (22).

Enquanto o material não era liberado, o investidor também se deparou com a notícia de que o decano solicitou à Procuradoria Geral da República (PGR) um pedido de depoimento e de apreensão do celular de Bolsonaro. Após o ocorrido, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, divulgou nota contra a decisão, afirmando que o pedido é “inconcebível” e “poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

Ao mesmo tempo em que a tensão se instalava por aqui, também escalava entre Estados Unidos e China, após o tigre asiático anunciar que pretende impor leis de segurança nacional em Hong Kong. Por sua vez, o presidente dos EUA Donald Trump afirmou que poderia reagir “fortemente” se a China seguir com estes planos.

Diante de tantas intempéries, é natural que o mercado financeiro tenha reagido com incerteza. Ao longo do dia, o Ibovespa enfrentou diversas quedas. No entanto, ao longo da semana, acumulou alta de 1,21%. Já o dólar teve queda de 4,54% no acumulado da semana.

Receita abriu o primeiro lote de restituição do Imposto de Renda esta sexta (22)

O primeiro lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) de 2020 foi aberto esta sexta pela Receita Federal. O pagamento está programado para 29 de maio, quando 901.077 contribuintes receberão um total de R$ 2 bilhões – indivíduos com prioridade legal, entre eles idosos acima de 80 anos, entre 60 e 79 e contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave.

Para quem ainda não cuidou da declaração do IRPF, fique atenta: é possível entregá-la até 30 de junho, uma vez que o prazo foi estendido por causa da pandemia do coronavírus.

Vídeo da reunião ministerial mexe com o mercado e Bolsa fecha em queda

População prefere pagar contas e atrasar dívidas e boletos, diz Boa Vista

Diante do anúncio de que os grandes bancos brasileiros prorrogariam ao menos 60 dias o vencimento das dívidas de seus clientes, os consumidores estão priorizando o pagamento de contas básicas da casa em vez de quitar boletos ou dívidas contraídas. Os dados são de pesquisa da Boa Vista.

Entre as cerca de 450 pessoas ouvidas em todo o País ao longo do mês de abril, 43% mencionou que pagar as contas de casa é a prioridade. Destas, 72% citam a de luz, seguida por água (63%), TV a cabo/internet (42%) e gás (40%).

Em segundo lugar na lista dos brasileiros estão os boletos (30%), com prioridades para aluguel e plano de saúde (33% cada), seguidos de condomínio (25%) e educação (19%).

Pagar o cartão de crédito ficou em terceiro lugar, com 13%. Os números ainda mostram que financiamentos (8%), empréstimos (5%) e crediários (1%) são as contas menos priorizadas neste momento.

Trabalhador tem perda salarial real de 28% em negociações, aponta Salariômetro

A média de reajuste salarial de abril foi de -28,3%, segundo o Boletim Salariômetro, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Em 3,1% das negociações coletivas do mês houve correção igual ou maior do que inflação acumulada nos últimos 12 meses, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Ao G1, Hélio Zylberstajn, professor da Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo (FEA-USP) e coordenador do Projeto Salariômetro, explicou que os trabalhadores que recebem um salário mínimo – atualmente em R$ 1.045 – conseguem uma renda 2%, 4% ou 6% maior do que o valor líquido anterior. O cálculo é baseado nas reduções de jornada e remuneração de 25%, 50% e 70%, respectivamente adotadas durante a pandemia do novo coronavírus.

Segundo o professor, isso acontece porque, antes da redução, o desconto da contribuição ao INSS refletia sobre todo o salário, agora, no entanto, é aplicado apenas no valor remanescente, enquanto o seguro desemprego pago pelo governo é livre de qualquer dedução.

Com participação da repórter Carol Nogueira

*Até o fechamento do texto. Fonte: G1, via levantamento feito junto às secretarias estaduais de saúde

Fotos: AdobeStock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Ana Paula de Araujo
Ana Paula de Araujo
Repórter e produtora, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) anapaula@financasfemininas.com.br

Leia em seguida

Apesar de conflitos no Brasil e EUA, Bolsa fecha em alta nesta segunda (1º)

1 de junho de 2020

O Ibovespa ignorou os conflitos políticos e manifestações antifascismo e antirracismo nos EUA e Brasil, fechando em alta puxada pelos bancos. Veja mais.

Apesar do coronavírus e queda no PIB, Bolsa tem melhor maio desde 2009

29 de maio de 2020

Apesar do coronavírus e da queda de 1,5% no PIB do 1º trimestre, a Bolsa se livrou da “maldição de maio” e fechou com alta. Entenda o motivo.

Tensão entre governo e STF derrubam Bolsa nesta quinta (28)

28 de maio de 2020

O embate entre governo e STF pelo inquérito das fake news deixou o mercado financeiro inseguro, derrubando o Ibovespa. Desemprego bateu recorde. Veja mais.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas