Vale a pena buscar outra linha de crédito para substituir o Fies?

6 de agosto de 2015 - Por

emprestimo-fies

quem ama, compartilha!

As políticas de ajuste fiscal adotadas pelo governo para enfrentar esta crise econômica estão afetando não só quem já está no mercado de trabalho. O período complexo colocou freios também naqueles que têm o sonho de investir no futuro cursando uma faculdade. As novas regras do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) – que tornam o acesso ao empréstimo mais restrito – entraram em vigor já neste segundo semestre.

Entre as novas determinações, está a preferência para as vagas em cursos na área da saúde, engenharia e formação de professores. Além disso, a nota no Enem será usada como critério de admissão (pontuação mínima de 450 pontos para aqueles que fizeram a prova antes de 2010) e os juros subiram de 3,4% ao ano para 6,5%. Com essas novas condições, qual a melhor alternativa para quem não conseguiu o Fies?

Vale a pena tomar um empréstimo? 

O professor de economia e contabilidade do IBE-FGV, Paulo Ferreira, ressalta que hoje não existe nenhum produto no mercado que equipare ao Fies, portanto, ele não aconselha a tomada de um empréstimo, principalmente neste momento de instabilidade. “Ainda que não seja a situação ideal, o mais indicado é ter paciência e aguardar. Eu não tomaria nenhum empréstimo pelo menos até o fim do ano, porque muitas coisas podem mudar. A pessoa corre o risco de comprometer-se agora com juros altos (Selic está em 14,25%) e taxa cair no ano que vem. Em momentos como este, o mercado também costuma reagir criando novos produtos, vale a pena esperar para ver como o mercado vai reagir”, avalia.

credito-estudantil

 

Como as mudanças foram feitas como parte do ajuste fiscal do governo, o especialista acredita que as mudanças podem ser temporárias, por isso a indicação de cautela neste momento para não tomar um empréstimo caro impulsivamente. Mesmo o consignado, que costuma ser a opção mais visada por muita gente, tem custos muito maiores. Enquanto o Fies fica em 6,5% ao ano, o consignado pode variar de 24,5% a 29,6% ao ano, conforme mostra a tabela do Banco Central.

Risco do consignado

O grande problema de tomar o empréstimo consignado, na avaliação do professor, além do custo alto da dívida, é a necessidade de pagamento imediato, tendo em vista que o empréstimo é descontado da folha de pagamento. “O ideal seria a pessoa conseguir um emprego para bancar as parcelas da faculdade e avaliar as possibilidades de conseguir uma bolsa, algo neste sentido. Neste momento, não aconselho de forma alguma a tomada de um empréstimo consignado. Mesmo sendo a opção mais barata de empréstimo entre outras possibilidades de crédito, ainda é muito mais caro que o Fies“, conclui.

Fotos: Shutterstock

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande um e-mail!

quem ama, compartilha!

Financas Femininas
Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

Leia em seguida

cadastro-positivo

10 de abril de 2019

Agora, todos serão automaticamente incluídos no Cadastro Positivo do Serasa, SPC e afins. Seus dados estão seguros? Quais são as vantagens? Descubra!

consumismo-consumo-divida-leitora-financas-femininas 01

27 de março de 2019

Por causa do consumismo, ela causou um grande estrago em seu orçamento. Como ir da absoluta falta de controle ao comando sobre sua grana? Nossa leitora conta como fez!

investir-ou-quitar-dividas

18 de março de 2019

Você quer investir, mas tem uma dívida pendente. É melhor quitar a dívida ou aplicar essa grana? Se você errar, pode arruinar seu bolso! Veja a resposta.

SIGA O INSTAGRAM @financasfemininas